O vírus da rebeldia e seus malefícios

Enriqueça a sua fé - Artigos e Espiritualidade para formação católica

Temos o direito de ser feliz, mas também temos o direito de construir nossa felicidade, mesmo na dor e na luta.

Índice: Leia os outros artigos e Espiritualidade para formação católica

Preciso muito de sua ajuda para continuar a manter o site no ar!
Doação: Ajude a evangelizar. Clique aqui para doar qualquer valor.


Nossa sociedade pegou uma virose; o vírus que pegamos é o da rebeldia. O mundo está se proclamando independente de Deus e de Seus mandamentos. Acabamos pegando [o vírus] sem saber de onde ele veio; agora, somos rebeldes e desobedientes. Cada um de nós precisa romper com esse círculo vicioso e dizer: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor!”, mesmo que isso nos custe. Não somos donos da nossa casa, e, por mais que isso custe, temos de romper com esse círculo vicioso.

Hoje, vivemos numa sociedade que cumpriu a mesma loucura que o povo de Israel: proclamou sua independência de Deus. De todas as gerações, a nossa sociedade talvez seja aquela que, de maneira mais concreta, proclamou essa independência. Vem daí toda desordem e todo sofrimento que estamos enfrentando. Quantos homens e mulheres estão caindo no engano e deixando que o teto da própria casa caia sobre sua cabeça!

Todos somos sofredores e precisamos ser bem-aventurados. Nossa sociedade precisa de homens e mulheres de vértebra, isso não se faz sem o sofrimento. É com garra e martírio que construímos a própria família. Hoje, sem martírio, não se constrói a própria família. Com rebeldia, não chegaremos a lugar nenhum.

Deus está buscando pessoas heroicas, homens e mulheres dispostos ao martírio. Temos o direito de ser feliz, mas também temos o direito de construir nossa felicidade, mesmo na dor e na luta. Será uma maravilhosa felicidade ver a família construída!

Temos têmpera, temos sangue para o heroísmo. Deus quer que gastemos, sem medo, nossas lágrimas para construirmos nossa família, a qual poderá dizer: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor!”

Monsenhor Jonas Abib
www.cancaonova.com