Liturgia Dominical
33º Domingo do Tempo Comum – C
Por: Padre Wagner Augusto Portugal
Leia as outras homilias
Para enviar essa homilia automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar essa homilia para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia as outras homilias

"Meus pensamentos são de paz e não de aflição, diz o Senhor. Vós me invocareis, e hei de escutar-vos, e vos trarei de vosso cativeiro, de onde estiverdes"(Cf. Jr 20, 11ss).

Meus queridos irmãos,

Estamos chegando ao fim do ano litúrgico em que o Evangelho que nós refletimos foi o de São Lucas. Hoje nós relembramos que a vinda do Senhor deve ser motivo de esperança, alegria, plenitude e completa libertação de todas as amarras que oprimem o povo de Deus. O existir do cristão batizado consiste na contínua e persistente espera e no clamor para que Cristo venha em nosso auxílio.Assim todos nós devemos clamar: “Vem Senhor Jesus!”, por isso todos nós somos convidados para a vigilância.

São Lucas colocou a Igreja dentro do contexto de perseguição da época de Jesus, de maneira que esta perseguição reflorescesse na Igreja um compromisso de firmeza da profissão de fé. As perseguições várias são o prelúdio do Juízo de Deus sobre a história, quando ele fizer justiça aos justos e destruir os ímpios, conforme nos ensina a Primeira Leitura.

Meus irmãos queridos,

Jesus veio uma vez ao mundo em carne humana, não se prevalecendo da condição divina(Cf. Fl 2,6), fazendo-se em tudo igual as criaturas humanas, exceto no pecado(Cf. Hb 4,15). Na segunda vinda de Cristo, o Senhor virá glorioso, Senhor do céu e da terra, juiz de todas as criaturas. Nós vivemos, assim, entre a primeira vinda e a vinda que aguardamos. Vivemos na doce certeza da primeira e na expectativa da segunda. É um itinerário ou uma caminhada de fé e esperança. A caminhada que todos nós somos convidados a percorrer pessoalmente, tendo sempre presente que Cristo nos acompanha, nos anima e nos fortalece porque: “Estarei convosco até o fim dos tempos”(Cf. Mt 28,20).

Assim hoje Jesus nos fala do momento em que passamos dessa vida para a outra, o fim do tempo presente e o início da eternidade. A nossa morte repete, de certo modo, o natal de Jesus: ele passou da eternidade para o tempo, nós passamos do tempo para a eternidade. Penar no “mundo vindouro” é imensamente positivo. É nele que se coloca a esperança cristã porque “A morte é o coroamento da felicidade da alma e o começo da felicidade do corpo”, nas palavras de Blaise Pascal.

Irmãos caríssimos,

A morte é o doce encontro com o Redentor, por isso não deve apavorar o homem. É o ponto inicial de uma vida nova diante da Trindade Santíssima. Mas para sermos associados ao Reino de Deus devemos estar em contínua vigilância. Morte que se apresenta nas guerras, nas revoluções, nas pestes, nos terremotos, nas carestias, nos tufões, nas tempestades, nas perseguições, nas prisões, nas traições, nos ódios, nas injustiças, na miséria e na exclusão social. Várias facetas da irmã morte que deve nos interpelar e nos encaminhar para a conversão diária e necessária.

O fim dos tempos deve estar sempre presente em nossa vida espiritual, principalmente para a conversão e a mudança de vida. E é isso que a Igreja nos propõe no fim do ano litúrgico e no início do novo tempo da Igreja que é sempre inaugurado com os exercícios espirituais do Advento. Tudo isso para demonstrar que Cristo é o Alfa e o Omega, ou seja, o Princípio e o Fim, conforme nos relembra a Igreja pelo Círio Pascal que inscreve estas letras para simbolizar o Cristo Ressuscitado. Assim a morte deve ser lembrada como a Luz do Cristo que nos tirou da escravidão do pecado e nos elevou a condição de filhos e filhas de Deus. A morte é como um ponto num círculo: nunca se sabe se é o ponto inicial ou o ponto final; ou melhor, é, ao mesmo tempo, final e inicial, porque dependendo de nossa adesão a Cristo iremos para a vida eterna e a não adesão para a condenação sem fim.

O templo de Deus é o Cristo Ressuscitado. Jesus mesmo afirmou ser o nosso templo de Deus. O mais importante, então, é reconhecer em Jesus alguém que pode dar a Deus a adoração plena, e à criatura humana, a salvação para poder louvar a Deus.

Meus irmãos,

A esperança sempre deve ser a marca do cristão, mesmo que devemos caminhar contra todas as esperanças dos homens, que são transitórias. Jesus é a vida verdadeira, que se dá a nós, criaturas. Mas só a conseguirão os que perseverarem firmes na fé. A fé será provada de muitos modos, dentro e fora de casa, e de forma até mesmo violentas e inesperadas, que Jesus simboliza na figura do pai e da mãe. Que ninguém desanime! Pode até acabar a terra. Mas não acabará a Palavra de Deus, feita vida terrena para transmitir a vida eterna.

E, afinal, quando será o fim, conforme muitos perguntaram a Jesus? Jesus não é um advinho, mas um Mestre e Senhor. Ele não fala nem o dia e nem a hora. Entretanto, nos dá pistas e critérios de orientação dentro da história e as decisões que se devem tomar para não perder de vista a meta final. Em vez de dizer o dia e a hora Jesus, na sua segunda vinda, nos trará a libertação total e plena. Assim vamos vivendo a esperança cristã e vamos depositar a nossa confiança unicamente em Jesus.

O provisório em seu valor. Relativo, decerto, mas real. É a encarnação da nossa aspiração à justiça de Deus, que tem a última palavra. Trabalhemos para que fique as obras de caridade porque o corpo, como o templo, será destruído, mas o templo de Deus permanecerá de pé, adornado de belas pedras das virtudes cristas, esculpidas na perseverança no bem, na caridade e na justiça.

 
 

xm732