025. Limite de si mesmo

1. MATERIAIS: giz

2. INSTRUÇÕES:

a. Solicitar ao participante que formem uma fila, como se estivessem num ponto de ônibus ou numa fila de banco fazendo de conta que não se conhecem;

Nota: Normalmente existe uma distância física (limite), que varia de pessoa para pessoa.

b. Mostra-se aos participantes o "espaço-limite" de cada um e o quanto diferencia de pessoa para pessoa, através da Invenção de papéis. Desfaz-se a fila;

c. Em seguida, o Diretor solicita que um participante fique a sua frente (aproximadamente 5 metros) e que use todos os sentidos para perceber a aproximação do Diretor. Antes de sentir-se "invalido", deve pedir para parar;

Nota: Demarcar com giz até onde o participante permite a aproximação.

d. Na seqüência pede-se que feche os olhos e o Diretor repete o mesmo processo.
Nesse caso, pode-se introduzir sons através de palmas, bater com os pés etc.;

e. Repetir o mesmo jogo para cada participante;


f. Comentários.

Nota: Normalmente, a distância modificar-se-á, ampliando-se, em função do campo tenso gerado. O Diretor deve caminhar, vagarosamente, em direção ao participante nas duas vezes, sem alterar o ritmo. Esse é um jogo dramático que demonstra claramente a diferença entre campo tenso e campo relaxado, avaliando a percepção e os limites de cada um.