Enriqueça a sua fé
 
O direito de ser bom
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Sede perfeitos como o Pai.

Vivemos num tempo muito bonito que se enriquece e se desenvolve dando sempre maior valor ao ser humano. Quando colocamos o convite à perfeição do ser humano, na perspectiva espiritual, não temos tanto espaço. Aqui entra a palavra moral que quase sempre é colocada como estraga prazeres.

Quando se fala de normas é comum se apelar para liberdade das pessoas como se a moral fosse repressão. É repressora quando a entendemos mal. A palavra moral, que está ligada a costumes, refere-se ao prático da vida. A boa compreensão permite perceber que ela estimula nossa liberdade e nos livra de sermos sujeitos a outros patrões.

Moisés recebeu a lei dos 10 mandamentos que concentram em poucas palavras o relacionamento com Deus fundado no amor e no acolhimento de sua santidade e no relacionamento com o próximo. Com relação ao próximo ela estimula e protege a vida, a família, o amor, os bens, a dignidade da pessoa e a própria consciência. É uma síntese perfeita de tudo que precisamos para bem viver.

São setas indicativas para o bom caminho. O que oprime as pessoas é o moralismo que, em muitos casos é doentio e até falso. No sermão da montanha Jesus não elimina os mandamentos, mas os leva ao coração do amor. Nas oito bem-aventuranças temos a nova lei.

Mais que um dever elas são expressão do ensinamento: "Sede perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito" (Mt 5,48). Dizendo que temos o direito de ser bons. A moral é a prática da lei do amor que nos leva a caminhar para a perfeição, isto é, a capacidade de crescer. Ela é estimuladora do desenvolvimento integral e livre do ser humano.

Entre a fragilidade e a perfeição

Ser frágil é um dos maiores privilégios da pessoa humana. Todos os animais já nascem como que completos. Em pouco tempo estão em total atividade. Mas não vai além disso. Ser frágil é poder crescer sempre. Fragilidade nos mostra o sentido da procura do aperfeiçoamento do ser.

É perfeito porque é frágil, incompleto, carente. Sempre pode ser mais, receber mais e crescer mais. Mesmo na espiritualidade, no crescimento em Deus, mais frágil se torna, uma vez que tem em si a grande batalha para superar as dificuldades e carências. Os seguimentos da vida e da sociedade são falhos, por perfeitos que sejam.

Digo, por exemplo, da vida de Igreja, de família, vida religiosa que deixam muito a desejar. Justamente por isso são ótimos, sempre podem ser melhores. Estamos em batalha contra os defeitos, batalha para sair de si e viver com os outros.

Quanto maiores e mais santos formos, menores nos descobrimos e menos santos nos achamos. Ser perfeito como o Pai, significa crescer sempre. A moral ajuda a descobrir os caminhos novos para aprofundar o ser humano em sua totalidade humana e espiritual.

Misericórdia como mestra

O frágil ser humano não está sob 100% impossível de ser atingido justamente porque é crescimento.

A mestra da vida é a misericórdia. Não se trata de ceder ao mal e à falta de compromisso. Lembramos as palavras de Jesus que ensinam a sentir o que o outro sente, colocar-se no lugar dele e compreendê-lo. É a atitude de Deus que se fez homem para que o homem sentisse que o compreende porque se fez também um de nós.

Jesus Se compadecia do sofrimento e Se reconhecia como remédio para os males. Não só é preciso ter misericórdia dos outros, como ter misericórdia de si mesmo, saber-se fraco e dar-se uma nova chance, aceitar com humor as próprias fragilidades. Acolhemos a fé com alegria. A moral é viver esta fé no concreto da vida. Podemos mostrar a alegria de ter fé.

 
 

xm732