Enriqueça a sua fé
 
Se consagrar a Deus: a beleza da eleição
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Como é importante na vida de quem se consagra a Deus a consciência da eleição divina. Não somente importante, é aquilo que existe de mais essencial e mais básico. Ninguém, jamais, deve atrever-se aproximar-se do altar do Senhor e se consagrar a Ele sem que seja por uma convicção de que Deus a isto lhe chamou, de que Deus lhe elegeu para isto.

Não nos aproximamos do altar do Senhor por que nos julgamos com as características necessárias para uma consagração; nos aproximamos porque Deus nos escolheu. Porque Deus nos elegeu.

Por isso, muitas e muitas vezes ao longo da nossa vida consagrada a Deus vai ser preciso voltar aquele chamado inicial. Vai ser preciso relembrar de que maneira o Senhor nos tocou e de que maneira Ele nos conduziu a esta consagração de vida. Muitas vezes seremos tentados a esquecer esta voz que nos chamou ou a dar mais força a outras coisas na nossa vida do que a esta voz, que na verdade é aquilo que existe de mais potente e aquilo que deve orientar a nossa existência.

A consciência da eleição nos coloca numa postura de profundo abandono nas mãos de Deus e de profunda confiança nEle, porque nós não fomos eleitos por qualquer um, fomos eleitos por Deus. E se nós cremos em Deus, então o quê pode ser mais forte do que a Voz, do que a eleição de Deus em nossa vida?

São Paulo falando dessa eleição diz que "Ele que nos predestinou para sermos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor" (Ef 1, 4).

Nosso chamado tem uma finalidade muito clara: e a finalidade é a santidade. Fomos eleitos por Deus para ser santos e não queremos ser nada menos do que santos.

E não queremos viver nada abaixo desta santidade à qual o Senhor nos chama. Ser santos porque Deus é santo, ser santos porque entramos em comunhão com a santidade de um Deus que vai nos transformando e nos tornando quase irreconhecíveis a nós mesmos. Porque vamos recebendo de Deus tanta graça que passamos a não nos reconhecer mais diante aquilo que nós éramos antes da graça do Senhor tocar o nosso coração e transformar a nossa vida.

Essa eleição de Deus e esse chamado a santidade vai nos fazer capazes de coisas que nós pensávamos não sermos capazes no nosso caminho de santificação. São Paulo também diz uma coisa muito bela, sobre a eleição: "nós fomos predestinados para sermos os que de antemão colocaram sua esperança em Deus, os que de antemão colocaram sua esperança em Cristo". Uma consagração de vida também tem este aspecto de colocarmos "de antemão" a nossa confiança e a nossa esperança em Deus. Pois não há nada ao nosso redor que nos garanta seremos fiéis a essa consagração. E se nós procurarmos dentro de nós, aí é que não achamos nada mesmo. Nada que nos garanta que um dia vamos ser santos como é o nosso chamado, nada que nos garanta que vamos permanecer fiéis para sempre.

Então é preciso confiança, é preciso fé, é preciso esperança e é preciso colocar de antemão essa esperança em Deus. Sobretudo quando as situações se fazem complicadas para nós. Colocarmos mais uma vez a esperança em Deus e mais uma vez aguardarmos o seu socorro.

E a nossa vida de consagração vai ser sempre assim: colocar nossa esperança em Deus, confiar que Ele vai nos conduzir, que Ele vai nos salvar, que Ele vai nos santificar. E quando cairmos, mais uma vez voltarmos pra Ele, confiarmos nEle e esperarmos nEle. Se formos capazes de sempre retornar a esse chamado, se formos sempre capazes de retornar Àquele que nos chamou, então vamos um dia contemplar a beleza de toda a obra que ele realizou em nós. Senão, nós vamos, talvez, abortar o projeto de Deus na nossa vida. Abortar o plano de salvação que hoje nós contemplamos só de semente mas que um dia vamos contemplá-lo plenamente realizado nas nossas vidas.

Mas sabemos que essa consciência da eleição, essa consciência de que foi Deus quem nos chamou, muitas vezes não é suficiente. Não à toa as vezes encontramos pessoas que dizem "ah, eu sei que Deus me chama, mas eu não quero mais", "eu sei que Deus me chama, mas eu não consigo", "eu sei que Deus me chama, mas agora os meus planos são outros".

A eleição de Deus vai implicar sempre na adesão humana e esta adesão precisa ser uma adesão de todos os dias.

Se faz uma vez, mas todos os dias é preciso renovar essa adesão nas pequenas coisas. Quando nós vamos dizendo "não" nas coisas pequenas, um dia que esse nosso "não", os nossos pequenos "nãos", geram um "não maior", mais significativo ao projeto de Deus na nossa vida. E sabemos que podemos sempre frustrar os planos de Deus na nossa vida.

Contudo, o Senhor hoje nos concede um exemplo a seguir, que é o exemplo de Maria. Encontramos em Maria uma perfeita harmonia: a eleição de Deus, a graça de Deus que nos santifica e a nossa adesão humana.

Deus nos reveste de sua graça, Deus nos comunica o seu Espírito, Deus nos reveste de santidade. Mas para que tudo isso se realize, antes de tudo nós tivemos a eleição, tivemos a comunicação da graça e por fim nós uma resposta. Que a nossa resposta seja sempre também a de Maria : "eis aqui a serva do Senhor". Que Deus encontre nos seu coração a adesão e a colaboração humana necessárias para realizar tudo aquilo que Ele tem planejado pra você daqui pra frente.

Retornar a Deus sempre, confiar sempre de novo nEle, colocar sempre a nossa esperança nEle. E como Maria nunca dar espaço aquilo que na nossa vida vai existir como tentação, como tentativa do inimigo de nos desviar da vontade de Deus.

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo!

Escola de Formação Shalom
www.comshalom.org

 
 

xm732