Vocação
 
Ministério de Cristo - Ministério da Igreja evangelizar
 
Leia os outros artigos
 

1º) Missão e ministério de Cristo – Ele é o Evangelho (Boa-Nova)

Em toda vocação distinguimos três aspectos. Os primeiros são o chamado gratuito e a resposta livre; mas a vocação se especifica pelo terceiro aspecto, que é a missão confiada à pessoa chamada.

A missão é a finalidade da vocação, o encargo ou a tarefa confiada. Jesus define assim a sua missão (finalidade, encargo, tarefa):

".. Eu vim para que todos tenham vida e a vida em abundância "(Jo 10,10). "Foi entregue a Jesus o livro do profeta /saías; abrindo-o, encontrou a passagem onde está escrito: 'O Espirito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciara Boa-notícia (evangelizar) aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos presos e aos cegos a recuperação da vista; para restituir a liberdade aos oprimidos, e para proclamar um ano de graça do Senhor'. Fechou o livro e começou a dizer-lhes: hoje se cumpriu esse passagem da Escritura que vocês acabam de ouvir."(Lc 4,17-21)

A forma concreta de levar a cabo a missão, assim como o modo, o estilo q a maneira de cumprir o encargo ou realizar a tarefa chamamos de ministério.

Jesus define assim seu ministério:

"...O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida (Mt 20,28) como resgate em favor de muitos''(Mc 10,45). "Estou no meio de vós como aquele que serve!''(Lc 22,27). "Depois de lavar os pés dos discípulos, Jesus disse: Eu, que sou o mestre e o senhor lavei os seus pés. Eu lhes dei um exemplo.  Vocês devem fazer a mesma coisa que eu fiz... O servo não é maior do que seu senhor" (Jo 13,12-17)

E também São Paulo: "Embora eu seja livre em relação a todos, tornei-me o servo de todos, a fim de ganhar o maior número possível" (1 Cor 9,19).

À palavra serviço corresponde, em latim, ministério. Portanto o ministério não só é uma tarefa evangelizadora, mas também o espírito e a maneira de realizá-la.

O próprio Cristo é a Boa-nova, é o Evangelho de Deus (EN 7), foi o primeiro e o maior evangelizador, seu serviço, seu ministério é evangelizador.

2º) Missão e ministério da Igreja - Evangelização (Levar a Boa-nova)

À luz da missão e do ministério de Jesus, entendido como serviço, como evangelização, se compreende a missão e o ministério da Igreja no mundo de hoje.

O Senhor Jesus deu início à sua Igreja com a pregação da Boa-nova. quer dizer, da vinda do Reino de Deus. Este Reino começava a aparecer claramente aos homens nas palavras, nas obras e na presença de Cristo, contudo o Reino de Deus manifesta-se principalmente na própria pessoa de Cristo. Filho de Deus e Filho do homem, "que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em redenção de muitos"(Mc 10,45).

"Depois de haver sofrido a morte na cruz, Jesus ressuscitado, apareceu constituído Senhor e Messias e Sacerdote Eterno, e derramou sobre os seus discípulos o Espírito prometido pelo Pai. A partir de então, a Igreja, enriquecida pêlos dons do seu Fundador e observando fielmente os seus preceitos de caridade, de humildade e de abnegação, recebe a missão de anunciar e estabelecer em todas as gentes o Reino de Cristo e de Deus" (LG 5).

"Nós queremos confirmar, uma vez mais ainda, que a tarefa de evangelizar todos os homens constitui a missão essencial da Igreja; tarefa e missão que as amplas e profundas mudanças da sociedade atual tornam ainda mais urgentes Evangelizar constitui, de fato, a graça e a vocação própria da Igreja, a sua mais profunda identidade Ela existe para evangelizar, ou seja, para pregar e ensinar, ser o canal do dom da graça, reconciliar os pecadores com Deus" (EN 14)

Existe, portanto, uma ligação profunda entre Cristo, a Igreja e a evangelização

A riqueza de conteúdo e as muitas faces da missão da Igreja podem ser descritas de diversas maneiras. O Concilio, usando a linguagem do Antigo Testamento, resume a missão em três aspectos: profético, sacerdotal e régio. Em muitos documentos dos cristãos, católicos ou não, fazem-no falando em testemunho (ou martiria], comunhão (ou koinonia) e serviço (diaconia].

Trata-se não tanto de três tarefas concretas e separadas, quanto de três aspectos ou dimensões da evangelização da Igreja, da atuação dos cristãos, a qual deve ser inseparavelmente:

testemunho de fé (pela Palavra e pela vida), edificação da comunhão com Deus e com os irmãos, e serviço à comunidade e ao mundo.

3º) Diversos aspectos da Evangelização – Diretrizes da Igreja do Brasil

A Igreja do Brasil, através de sua Conferência Nacional dos Bispos (CNBB) procurou expressar sua compreensão da missão no objetivo geral do Plano de Pastoral de Conjunto aprovado para 1966/70, atualizado em 1974 e continuado até 1978. Em 1979, depois da Conferencia Latino-americana de Bispos em Puebla, com a "opção pêlos pobres", a CNBB reformula suas Diretrizes Gerais de Ação Pastoral, que são renovadas a cada quatro anos.

As Diretrizes Gerais da Evangelização contemplam:

- Seis dimensões da evangelização que não são ações isoladas, mas diferentes aspectos que devem estar presentes em toda ação pastoral, construindo um trabalho coordenado, orgânico, como convém a um corpo, em que cada órgão precisa dos outros. Assim, em todo trabalho da Igreja, temos em vista as dimensões:

1a  Dimensão comunitário-participativa;

2a Dimensão missionária:

3a  Dimensão biblico-catequética;

4a  Dimensão Liturgica;

5a Dimensão ecumênica e de diálogo inter-religioso;

6a  Dimensão sócio-transformadora.

As atuas diretrizes, para o período de 2003-2006, formulam a missão evangelizadora da Igreja do Brasil assim:

"EVANGELIZAR proclamando a Boa-nova de Jesus Cristo, caminho para a santidade, por melo do serviço, diálogo, anúncio e testemunho de comunhão, à luz da evangélica opção pêlos pobres, promovendo a dignidade da pessoa, renovando a comunidade, formando o povo de Deus e participando da construção d*, uma sociedade Justa e solidária, a caminho do Reino definitivo".

A partir de 1995, o documento orientador do planejamento passou a dar uma nova ênfase à evangelização, na qual se destacavam as quatro exigências da ação evangelizadora da Igreja:

1a Serviço e participação na transformação da sociedade pelo bem dos pobres;
2a Diálogo com as culturas e as outras religiões;
3a Anúncio do Evangelho;
4a   Testemunho da comunhão eclesial.

EVANGELIZAR — Palavra-chave que resume toda a ação de Jesus.

Evangelizar é fazer chegar a Boa-nova a todos. E a Boa-nova, que Jesus anuncia, é o Reino de Deus e a salvação para toda a humanidade. Cristo realiza, em sua pessoa e em sua vida, o que os profetas preanunciaram: Cumpriu-se o tempo, "o Reino de Deus está no meio de vós". "Evangelho" não é apenas anúncio da salvação: é toda a existência de Jesus, desde seu nascimento até sua morte e ressurreição gloriosa.

Viver como Jesus há de ser também o projeto de todo cristão evangelizador. Só evangeliza quem aceita e segue o caminho de Jesus: "Vem e segue-me" é o convite fundamental que o Senhor continua fazendo a todos os que querem participar da aventura do Reino. Para ser verdadeiro evangelizador, é necessário, antes de tudo, deixar-se evangelizar, sendo ouvinte atento ao que Deus fala, a exemplo da Virgem Maria.

4º) Ideais inspiradores de vocações

"Semelhantes formulações não são mero enunciado impessoal da reflexão teológica ou do planejamento pastoral. Elas exprimem um ideal capaz de suscitar nas pessoas, e especialmente nos jovens, a vocação de assumir uma responsabilidade ministerial e até a consagração total a serviço da Igreja.

Palavras como

- Evangelização,                            
- Justiça,
- Testemunho,
- Libertação,
- Comunhão,
- Participação,

- Serviço,
- Reino


Devem ressoar com tal força e conteúdo que possam impelir o cristão a consagrar sua vida aos ideais que apresentam" (CNBB 20, n° 131).

Nenhuma dessas fórmulas, porém, esgota a força inteira nem a amplitude da missão da Igreja e do cristão. Cada qual tem seu valor e atrativo próprio, que repercutirão de modo particular nesta ou naquela pessoa. Todas representam aspectos complementares da missão da Igreja, de modo que somente juntas podem expressá-la plena e fielmente.

Importante será descobrir como todos os cristãos estamos chamados a participar ativamente dessa missão e ministério de Cristo, dessa missão e ministério da Igreja. É assim que poderemos responder e assumir a plena ministerialidade da Igreja, onde todas as vocações são necessárias, imprescindíveis e complementares.

Textos para refletir:
- Lumen Gentium - Constituição Dogmática do Concílio Vaticano II
- Doe 62 CNBB - Missão e ministérios dos cristãos leigos e leigas
- Doe 71 CNBB - Diretrizes da ação evangelizadora da Igreja no Brasil

Textos bíblicos:
- Mc 1, 1; 1,4-15;   16,15
-Mt4, 23; 11,4-5; 28.19
- Lc 4, 43-44
- At 15,7; 5, 42;  8, 25; 14, 6-7; 20, 22-24
- 1 Cor 1,17; 1 Cor 9,16
-Fl 1, 12-14
-2Tim 1,11
- Ef 6, 18-20



 
 
xm732