Ser missionário
 
Projeto de Deus, caminhos dos homens
 
Leia os outros artigos
 

As últimas palavras do grande profeta do exílio querem suscitar uma profunda reflexão no povo exilado, para que recupere a confiança em si e em Deus, e assim possa enfrentar com coragem o caminho do retorno. "Buscai a Javé enquanto pode ser encontrado, invocai-o enquanto está perto. Abandone o ímpio o seu caminho e o malvado os seus pensamentos, volte para Javé que terá compaixão dele, e para o nosso Deus porque é rico em perdão.

Com efeito, os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, e os meus caminhos não são os vossos caminhos, palavra de Javé. Pois, assim como os céus estão acima da terra, assim os meus caminhos estão acima dos vossos caminhos, e os meus pensamentos acima dos vossos pensamentos.

Como a chuva e a neve descem do céu e para lá não voltam, sem terem regado a terra, tornando-a fecunda e fazendo-a germinar, dando semente ao semeador e pão ao que come, tal ocorre com a palavra que sai da minha boca: ela não torna a mim sem fruto; antes, ela cumpre a minha vontade e assegura o êxito da missão para a qual a enviei".

Essas palavras revelam um aspecto importante da missão profética. De fato, o profeta exorta os seus ouvintes a perceberem a proximidade de Deus, também durante a experiência de um momento de dor. Mais ainda, ele indica o que fazer para que tudo isso aconteça: antes do retorno 'geográfico' de Babilônia para Jerusalém, é preciso "voltar-se para Javé", é preciso ter confiança nele, abandonando o caminho da maldade, os pensamen-tos iníquos, a falta de coragem, as dúvidas e o desânimo.

É preciso tomar consciência de que Deus tem um projeto de salvação que não coincide com os projetos humanos, e seu modo de agir e de intervir na história nem sempre é compreensível.

Todavia, o fundamento e a razão fundamental da exortação profética baseiam-se numa das mais bonitas e profundas expressões do AT que, em momentos cruciais da história, revelam o verdadeiro rosto de Deus: "Javé tem compaixão, Ele é rico em perdão!" (Cfr. Ex 34,9; 1Rs 8,30; Jr 31,14). Dessa forma, se é verdade que o exílio pode ser interpretado como uma conseqüência da infidelidade do povo que se afastou de Deus, é verdade também que o caminho de volta deve passar primeiro pelo "retorno a Javé". Se a infidelidade provocou o afastamento de Javé, agora chegou o momento propício da "conversão", da "busca e da invocação".

É dessa forma que Israel pode responder à ação de Deus na história: externamente, deve percorrer o caminho que conduz à pátria, eliminando a distância geográfica; interiormente, deve percorrer o caminho que leva a Javé, eliminando a distância da desconfiança e da maldade. Em sentido mais amplo, isso significa que a missão profética consiste em exortar o ser humano, seja quem for, a superar seus projetos geralmente fechados dentro do pequeno horizonte de sua própria auto-suficiência, para se abrir com confiança e entrar no horizonte de Deus.

Para evitar esses perigos extremos, o profeta mostra que entre a proximidade (v.6) e a distância (v.9) está a Palavra de Deus que une o céu e a terra. A belíssima imagem da "chuva" (55,10-11) serve para evidenciar a bênção divina, dom que impregna a terra tornando-a fecunda e fazendo-a germinar. Isso não é fruto da eficiência humana, mas da eficácia da palavra divina.

Com efeito, a chuva coloca em movimento o ciclo vital da fecundidade, faz germinar a semente que se transforma em pão que alimenta e dá vida. Em resumo, podemos dizer que o homem necessita do projeto de Deus para ser mais humano, e que Deus necessita do homem para manifestar sua misericórdia e seu perdão nos caminhos da história.

Autor: Sergio Bradanini
www.pime.org.br



 
 
xm732