Natal
 
Natal é compromisso com a vida
 
Leia os outros artigos
 

Estamos vivendo um tempo de grandes expectativas no coração e na mente pelo nascimento do Menino Jesus, o Príncipe da Paz, o Filho de Deus, o Salvador da humanidade, feito homem, nascido de Maria, em Belém.

Porque é Natal, a esperança se torna o motivo da nossa vida. Somos convidados a renovar nossas atitudes com gestos de solidariedade e paz. O empenho para nos aproximar das pessoas - pequenas, humildes, pobres, marginalizadas, excluídas, doentes, idosas - tem seu fundamento no nascimento de Jesus. Ele se fez um de nós, veio habitar no meio de nós - Mistério da Encarnação — porque nos ama infinitamente.

O Natal do Senhor nos faz pensar como Deus manifesta o seu amor por nós. Ele assume o nosso jeito de ser. Iguala-se a nós, homens e mulheres, e nos ensina o modo de ser humanos. Desde o nascimento, até a morte e ressurreição, Jesus se revela sendo Salvação para o mundo. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida que todo coração busca. Para onde iremos? Só Tu tens palavras de vida eterna foi a resposta de Pedro a Jesus. Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo, foi o modo de João Batista apresentar Jesus a seus discípulos.

O Natal nos ensina como Deus leva a sério a nossa vida. Ele nos valoriza a ponto de se fazer como um de nós. Assim como Deus se revelou, somos também convidados a levar a sério a nossa vida e a dos nossos semelhantes. Pelo Natal de Jesus, a Humanidade ganhou uma grande alegria; pelo Natal de Jesus em nosso coração, somos convidados a levar aos nossos irmãos e irmãs motivos de alegria. Muitas iniciativas nas comunidades, associações, empresas proporcionam alegria às pessoas.

Mais do que objetos materiais como brinquedos, roupas, alimentos, que são de fato necessários, o Espírito Natalino nos ensina o caminho da solidariedade e nos convida para gestos voluntários em favor dos carentes. São eles: doentes sem recursos para um tratamento digno; idosos que sofrem com os efeitos da ingratidão dos familiares, da sociedade e do Estado; desempregados que não conseguem o pão com o suor do próprio rosto; crianças desamparadas sem nenhum referencial de valores para uma vida que conduza à realização; jovens desorientados profissional e vocacionalmente, entregues ao imediatismo imposto por estruturas descompromissadas com a vida humana.

Novamente é Natal e nosso coração se completa de verdadeira alegria e esperança. Deus se dispõe a nos ensinar pelo seu Filho. Torna-se como um de nós — humanos — e nos lembra a solidariedade a custo zero. Faz-se voluntário pelo amor infinito a cada um de nós.

Pe. Luís Rodrigues Batista, C.Ss.R
Fonte: Revista de Aparecida



 
 
xm732