Natal
 
Natal: O mistério da encarnação.
 
Leia os outros artigos
 

Bastam as primeiras estrofes do canto natalino mais popular na Itália desde o século XVIII até nossos dias, composto por Santo Afonso Maria de Ligório, para percebermos o mistério da encarnação como alicerce da espiritualidade.

Neste mês de dezembro sinta-se convidado, a olhar para a manjedoura, para a humildade e fragilidade da criança que, entre palhas, demonstra a loucura do Amor de Deus em busca do coração do homem.
Santo Afonso deixou uma herança para os seus filhos e eles a conservam e transmitem: Diante da Manjedoura ficamos estupefatos por causa do mistério de amor. Esse espanto logo se torna encanto e em seguida leva à paixão. Esse olhar, essa contemplação, essa percepção de uma realidade amorosa, contagia a todos.

A Espiritualidade da Manjedoura é, na verdade, um grande convite: Não perceber na vida um outro sentido senão fazer de tudo para corresponder tamanho amor. O mistério da encarnação de Jesus é o início de um caminho concreto, palpável, inserido na história humana, iniciado por Deus para entrar em comunhão de amor com o ser humano.

O despojamento do Cristo, tomando a condição de servo (Fl 2,7), quer nos ajudar a celebrar bem o natal. A herança alfonsiana pode ajudar a todos num mundo onde, influenciados por tantas idéias e realidades, os homens e mulheres nem sempre percebem a grandeza do amor de Deus expressa na encarnação do Verbo Eterno que, tomando nossa condição, faz-se pobre, necessitado da atenção e do carinho humano. Deus se assemelha a nós, torna-se impotente em tudo, exceto na capacidade de amar.

Na criança da manjedoura está a manifestação plena do Amor Divino pela humanidade e, ao mesmo tempo, a expressão do amor humano por Deus. Eis a Copiosa Redenção acontecendo desde o primeiro instante: o Sim de Deus se encontra com o Sim do homem.

O Presépio (a manjedoura) juntamente com a Cruz e o Santíssimo Sacramento revelam o aniquilamento (Kénosis) de Cristo que começou na encarnação e não termina jamais, porque continua em cada Eucaristia.

Celebremos o Natal. Celebremos a Encarnação.

Santo Afonso, numa outra canção, convida-nos a contemplar uma singular realidade, a beleza de Maria, a Mãe cuidando do seu filho, o Menino Deus:

Calaram os céus
A sua harmonia
Enquanto Mana
Ninava Jesus. (...)


Calou-se e em seu peito
Cingindo o Menino,
No rosto divino
Um beijo lhe deu".


Pe. Luiz Cláudio Alvez de Macedo, C. SS. R.
Fonte: Revista de Aparecida



 
 
xm732