Com a palavra...
 
Bíblia: livro da humanidade
Por: Padre José Cipriano Ramos Filho
 
Leia os outros artigos
 

No mês de setembro, comemoramos o Mês da Bíblia, que é a Palavra de Deus, o livro mais lido no mundo, o livro da humanidade. Só nestes últimos séculos mais de um bilhão e quinhentos milhões de exemplares da Bíblia já foram impressos e divulgados no mundo inteiro, traduzidos para mais de mil línguas diferentes.

Quantos que já encontraram nesta Palavra um sentido para a vida! Um livro procurado e lido por tanta gente deve possuir um segredo muito importante para a vida. A Bíblia é como coco de casca dura: esconde e protege uma água que mata a sede do romeiro cansado. Romeiros e peregrinos somos todos!

Em todas as épocas da história, sobretudo em épocas de crise como a nossa, voltamos a alimentar-nos da Bíblia, pois acreditamos que este livro tem a ver com Deus. A fé nos diz que a Bíblia é a Palavra de Deus para nós. Uma Palavra que tem a força e o valor daquele que a pronuncia. Nós homens somos fracos e não oferecemos segurança total, por isso podemos errar. Mas a Palavra de Deus não erra nem engana pois, como ensina o apóstolo Paulo, “toda a escritura divinamente inspirada é útil para ensinar, para repreender, para corrigir, para educar na justiça,a fim de que o homem de Deus seja perfeito e capacitado para toda boa obra.” (2Tm 3, 16- 17)

Esperamos que, um dia, a verdade e a justiça voltem ser a marca de toda palavra que sai da boca dos homens. Como entender esta convicção tão profunda da nossa fé de que, quando lemos a Bíblia, estamos lendo ou ouvindo a Palavra de Deus para nós? Tudo isso sob a ação do Espírito Santo, que nos move o coração e a alma e nos dá o entendimento para bem compreendê-la.

A Bíblia é um livro de verdades religiosas reveladas por Deus. Cada texto está de certa forma relacionado com toda a Bíblia e com a fé da Igreja. Portanto não podemos tirar um texto ou versículo que seja deste contexto, sem que possa haver erro de interpretação. Aqui é importante guardar a Tradição do magistério da Igreja. É a Igreja que deve ter a palavra final, a fim de evitar o perigoso subjetivismo pessoal.

Por que setembro é dedicado à Bíblia? Neste mês, no dia 30, festejamos São Jerônimo, que foi um padre do deserto, abandonou tudo na vida do mundo para viver em uma gruta, na solidão, em jejum, na oração e nos estudos das Sagradas Escrituras, trazendo para nós esta palavra importante.

Não podemos ignorar a Escritura, pois muita gente abandona a sã doutrina Igreja, para ir às falsas doutrinas do mundo. Por isso São Paulo recomendava a Timóteo que pregasse “oportuna e inoportunamente.” (2Tm 4,2)

Certamente todos nós trazemos a Escritura em nossa casa, não para ficar na gaveta, mas para colocarmos em destaque, para que, ao passarmos por ela, lembremo-nos do que Deus nos quer falar. Esta mesma palavra que inspirou e converteu os grandes santos da Igreja como Agostinho, Inácio de Loyola, João da cruz, e outros tantos...

Nós cristãos somos alvos desta palavra, por isso procuramos entender a sua mensagem e aplicá-la em nossa vida, em nosso coração e principalmente na prática do dia a dia, na vivência da fraternidade, da caridade, do perdão e do amor. Formamos a unidade em torno da Palavra de Deus, que permanece, para colhermos bons frutos.

Que a Palavra de Deus, neste mês, ajude-nos a sermos fiéis aos nossos propósitos de vida, que possamos, de fato, viver com mais firmeza nossa fé, confiando no Cristo que nos conduz para o Caminho, a Verdade e a Vida. E tenhamos sempre em mente o ensinamento de São Jerônimo: “Ignorar a Escritura, é ignorar a Cristo.”



 
 
xm732