Com a palavra...
 
Aprender dos pequenos
 
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

O evangelho nos revela um Pai humilde e misericordioso, que socorre os pequenos e empobrecidos. Depois de elevar uma oração confiante a Deus porque os pequeninos acolhem os valores do reino, Jesus nos apresenta três importantes apelos.

"Vinde a mim vós que estais cansados e fatigados". O apelo é dirigido aos oprimidos pelos "sábios e inteligentes". É um apelo a todos os que sentem o peso de uma religião moralista e permeada de normas proibitivas e que impede de chegar ao cerne da mensagem de Jesus. Sua religião é a religião da alegria. "Vinde a mim" é convite a uma vida nova que inclui a alegria da convivência, da solidariedade com os outros, de sentir o amor gratuito do Pai que quer o bem e a felicidade a todos os seus filhos e filhas e que os leva a encontrar a presença salvífica de Deus.

"Tomai sobre vós o meu jugo que é suave e leve". "Carregar o jugo" – expressão apreciada pelos rabinos – refere-se ao jugo das normas a serem assumidas pelos integrantes do grupo religioso e ao fardo pesado imposto pelo poder político opressor. A lei, que deve ser fonte de vida, acaba se tornando, nas mãos das "elites", fardo insuportável. O jugo de Jesus é suave e não pesado, porque propõe novo caminho de vida, liberta de todo tipo de opressão, de pesos inúteis. Ele não bloqueia nem tortura a consciência dos pobres; ao contrário, a alivia e a liberta.

"Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração". É o apelo constante que Jesus nos dirige ainda hoje. Sempre podemos e devemos aprender o jeito dele encarar a vida e a religião. Em Jesus, encontramos a esperança de libertação, o alívio e o descanso. Ele nunca quis complicar a vida de ninguém; ao contrário, ele a torna simples, leve e despojada, não a oprime nem a complica. "Aprendei de mim" é um alerta a não seguir "sábios e entendidos" que se fazem senhores da consciência do povo para manipulá-lo e que apresentam um Deus descomprometido com os pobres.

Pe. Nilo Luza, ssp

 
 
xm732