Com a palavra...
 
O valor missionário e transformador da penitência
 
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

O espírito de penitência que anima e inspira a Quaresma como tempo de preparação para a Páscoa é profundamente dinâmico e frutuoso, impulsionando a missão evangelizadora da Igreja. Este processo se verifica numa conversão para fora, deixando o egocentrismo e o individualismo do homem velho, para abrir o nosso coração para Deus e para os irmãos.

Também porque mortificando e purificando nossos desejos e apegos, assumimos atitudes solidárias, investindo na sobriedade e na partilha dos bens. As práticas do jejum, da oração e da doação, nos capacitam para enxergar o sofrimento e a dor alheia, vivenciando a compaixão e o comprometimento para com os crucificados de hoje. Mais a penitência nos aproxima da paixão e da Cruz salvadora, seguindo a Cristo servo e obediente ao projeto do Pai com autenticidade e determinação.

A grande armadilha espiritual do mundo de hoje é querer um cristianismo sem Cruz, complacente e genérico, com amenidades e distrações agradáveis e palatares para consumidores de religião. Um cristianismo light que não fale de pecado, de injustiças e de pobres, que seja conivente com a exploração e a corrupção, pois, afinal ninguém é de ferro. Tal proposta seria sem dúvida uma caricatura de mal gosto, que terminaria por tornar insosso e insípido a força do Evangelho, aguando o vinho novo da conversão e santidade de vida.

A penitência benfazeja como mestra da vida, vem nos entusiasmar com a renovação total dos nossos propósitos e atitudes, para tratar de ser e viver a santidade hoje, transparecendo o amor radical de Cristo. O verdadeiro cristão só tem um medo na sua vida, deixar que Cristo passe bem perto de nós e como diz Santo Agostinho, não sejamos capazes de desvencilhar-nos das coisas para segui-lo.

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo Diocesano de Campos (RJ)

 
 
xm732