Com a palavra...
 
Ser igreja no novo milênio
Por: Frei Augusto Giroto
 
Leia os outros artigos
 

Profundos anseios de esperança nos movem, no momento, em busca de um futuro melhor para a vida da igreja. Ela, na sua experiência secular, tem condições e recursos para sonhar com um despertar novo e eficiente de ser no mundo o sacramento de salvação para toda a humanidade. Todavia se faz necessário resgatar propostas e valores já conhecidos, porem adormecidos, que podem oferecer luz e disposição no caminho da evangelização que queremos trilhar hoje. Sem duvida, a evangelização e a meta prioritária de toda a comunidade eclesial.

Ha mais de 20 anos, no Documento de Puebla (1979), os bispos latino-americanos propuseram um lema que pudesse orientar toda a dinâmica da ação pastoral: comunhão e participação. Para evangelizar é imprescindível levar de forma consciente esse lema como pedagogia e dinâmica, como meta a conquistar. Jesus já tinha ordenado: "Isto eu vos mando: que vos ameis uns aos outros" (Jo 15,17). E mais: "Que todos sejam um"(Jo 17,21).

Para construir a igreja do novo milênio, uma das condições será certamente "comunhão e participação". Comunhão e unidade, e ligação, e criar elos, e trabalhar juntos, e saber partilhar. Comunhão é conviver, não se sobrepor, é criar fraternidade. Participação é o imperativo da ação, e co-responsabilidade, e serviço e disponibilidade.

A missão primordial da igreja é evangelizar. Só se justifica a sua Existência, e mais ainda, sobressai sua função quando ela esta a serviço da evangelização. 0 anuncio da boa-nova de Jesus Cristo identifica a igreja.

0 conceito de evangelização hoje é muito mais abrangente e amplo, tão amplo quanto o conceito de salvação. De certa forma, antigamente se entendia a evangelização apenas no seu aspecto escatológico, isto é, acentuando-se a dimensão futura da salvação eterna.

Hoje, evangelização e salvação se entendem dentro da totalidade do humano: o seu futuro, mas também a sua realidade presente e total. Não mais desprezar as coisas terrestres para amar as celestes, mas através das coisas terrestres chegar as celestes.

Concretamente, evangelizar é salvar a pessoa na sua totalidade indivisível, corpo e alma. Portanto evangelizar é tudo o que se refere ao bem-estar e a dignidade do ser humano: saúde, educação, vida social, lazer, economia, alfabetização, cultura, enfim, tudo o que compreende o humano.

A partir desse principio podemos sentir a amplidão que a igreja tem a sua disposição para o desempenho da sua vocação missionária e evangelizadora.

Quando Jesus disse que até um copo de água não ficaria sem recompensa, entendemos que evangelizar não e só realizar obras heróicas e grandiosas, mas tudo o que promove os nossos irmãos, tudo o que acrescenta a vida, principalmente a dos necessitados.

Uma das características da igreja verdadeira é a fidelidade à doutrina dos apóstolos. Eles receberam do próprio Cristo a palavra por excelência, à missão da continuidade da proclamação da boa-nova ao mundo. A igreja deve se firmar cada vez mais no anúncio do evangelho como pedagogia única e eficiente para educar o mundo no bem, na justiça e na caridade.

Todos esses aspectos podem ser espelhados na vida das primeiras comunidades, relatada no livro dos Atos dos Apóstolos. Nela se sobressaem as exigências da evangelização: a partilha dos bens (tinham tudo em comum), a oração, a celebração da eucaristia e a fidelidade à doutrina dos apóstolos.

Os exemplos das primeiras comunidades continuam atuais e iluminam a vida e missão da igreja. Dessa forma, no novo milênio, ela quer proclamar os valores do evangelho e colaborar decisivamente na construção do reino de Deus, sendo fiel ao seu divino fundador.



 
 
xm732