Formação espiritual
 
O ministério da Palavra de Deus
Autor: Prof. VICTOR HUGO NASCIMENTO
Filósofo e Teólogo.
Professor das Escolas de fé e catequese Luz e Vida e Mater Ecclesiae - RJ
Contato: victorbento.30@globomail.com
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse estudo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
 

(Apud: SAMANES, Casiano F. & CARRETERO, Manuel U. Teologia de la acción pastoral. Madri: BAC, 1.968, p. 315-321. Tradução e organização: Prof. Victor Hugo)

O ministério profético é a função pastoral que transmite a palavra de Deus para despertar e alimentar a fé. Sem dúvida alguma, é o ministério pastoral mais importante da vida apostólica da Igreja atual.

Deus se comunica totalmente quando fala. E se entrega aos homens como palavra criadora e reveladora. Mas somente o homem crente que dialoga interiormente com Deus em suas manifestações, é capaz de perceber essa palavra misteriosa de Deus. Sensivelmente reside a palavra de Deus na Escritura, livro que garante o que Deus faz e diz desde que começou a história até sua consumação final. Mas de nada serve se cristalizar a palavra de Deus num livro se os homens não sabemos fazê-la constantemente viva em um ministério profético ininterrupto. A Bíblia é um arquivo da palavra de Deus. Para que de novo seja operante é necessário que a comunidade dos crentes se ponha ao serviço das exigências dinâmicas e noéticas da palavra de Deus. Esta função é o que chamamos de ministério profético, que desenvolve o conteúdo da palavra de Deus e a faz eficaz pela mediação de uma palavra verdadeiramente humana.

Se a palavra de Deus se desprovê de todas as exigências da palavra humana (inteligibilidade, sentido dialético, finalidade operante, comunicação de quem a pronuncia, atitude de quem a recebe, etc.), se pode converter em uma palavra mágica. Mas se pretendemos pôr-nos no serviço do ministério profético e só pronunciamos palavras desprovidas de humanidade, mesmo que carregada de toda a dialética vital que elas possuem, então faremos, no máximo, um “trabalho de Hércules”. Não será um serviço ao outro que possua uma eficácia diametralmente diferente a nossa, mas realizaremos um trabalho modestamente humano.

Aqui mora a grandeza e o serviço do ministério profético, que não existe se não parte da fé e se não desemboca na mesma; que não é pleno se não consegue fundir em uma palavra ministerial a palavra de Deus e a humana, e que não é correto se não se submete às leis tradicionais que a Igreja tem determinado ao longo de sua própria existência.

O dever de proclamar a palavra de Deus não é exclusivo dos enviados oficiais, mas pertence de algum modo a todos os membros da comunidade. “Quando vos reunis, que um traga um hino, outro um ensinamento, outro uma revelação, outro uma mensagem em línguas, outro sua interpretação: tudo para a edificação comum” (1 Cor 14,26). Depois que os apóstolos foram levados ao sinédrio, narra os Atos dos Apóstolos, e uma vez que Pedro acabou de falar e orar, “todos ficaram cheios do Espírito Santo e falavam a palavra de Deus com liberdade” (At 4,31).

 
 
xm732