Colunas
 
Fonte inesgotável de sucesso
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
 
Leia os outros artigos
 

É um prazer misturado com fadiga. O ser humano tem capacidade de pôr a natureza a seu serviço. E de uma maneira criativa e pouco repetitiva. As formigas são seres admiráveis pela sua laboriosidade, e pela sua extraordinária organização.

Mas não são capazes de trabalhar com outro método, diverso daquele que já usavam há dois milhões de anos. O homem quer colocar toda a natureza a seu favor. Por isso trabalha a cana-de-açúcar, para dela extrair o álcool e o insuperável açúcar de nossas mesas. Seus métodos de trabalho podem mudar, melhorar, e simplificar.

Tudo para alcançar melhores resultados, com menos esforço. “Do trabalho de tuas mãos comerás, tranqüilo e feliz” (128, 2). O resultado do trabalho causa prazer aos humanos. É a alegria de sentir-se útil. Vendo o sucesso do seu trabalho, o homem e a mulher se sentem realizados, e tem a sensação de ter o futuro em suas mãos.

Mas o trabalho não só causa a sensação de satisfação, como também deixa um travo amargo de fadiga. É a convicção de que nada se recebe de graça. O progresso só vem com esforço. “No suor do rosto comerás o teu pão” (Gen 3, 19). Para contornar o cansaço, e se alimentar só de sobremesa, muitos homens, mais do que nos tempos passados, se apropriam do fruto do trabalho dos outros.

O número de roubos, de assaltos e de mortes, por causa de dinheiro é coisa nunca vista. Nem nos tempos de decadência moral dos grandes impérios, nem nas épocas em que as estradas estavam cheias de bandoleiros, nem nos tempos inseguros das guerras e revoluções se encontra paralelo com o que acontece hoje.

Os que hoje querem ganhar a vida na moleza, sem trabalhar, e exigem somas valiosas, acrescem a todas as suas injustiças o fato de serem cruéis, sem sentimentos para com seu semelhante. Isso de arrastar alguém, ainda vivo, amarrado num automóvel; de pôr fogo numa pobre vítima por não ter dinheiro; de torturar com requintes de sadismo, é cena corriqueira.

É tudo falta de fé e de temor reverencial para com Deus. E vem ainda certos luminares do nosso governo pregar contra o crucifixo em salas de aula, e querer ensinar à juventude um sexo seguro e sem responsabilidade.

É intolerável. Quanto mais religião, melhor para todos. Só Cristo revela aos homens a beleza da humanidade. Para sermos plenamente humanos olhemos o Salvador.

 
 
xm732