Colunas
 
Esse menino já deu o que falar.
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

A época natalina nos deixa meditativos. Uma criança é sempre um mistério, ainda mais quando se trata da grande figura  da história. A personagem do Divino Amigo continua chamando a atenção. Mesmo obnubilada pelo intruso papai Noel, de consistência “light” (sem calorias)...

Não quero aqui arrolar as mil razões que fazem de Jesus a pessoa mais comentada da História.  Pretendo mostrar aos meus amigos três aspectos, apenas, que o colocam como uma grande elevação acima da planície e das depressões da paisagem humana. São Pedro diria: “só Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6, 68). Eis três  aspectos exclusivos de Jesus:

1 - Os ensinamentos de Cristo direcionam para uma permanente conversão. Em Jesus não existe a fatalidade de uma personalidade defeituosa. Não existe a “escrita”, o destino. Ninguém poderá se refugiar atrás de uma desculpa como “eu sou assim mesmo”.

Se alguém tem uma vida desregrada, vive litigiosamente  com seu semelhante, está afastado de Deus e da oração, sempre tem possibilidade de nova chance, e de ser melhor. É a confiança que o Pai Celeste deposita em seus filhos. Todos podemos ser discípulos do Mestre por excelência. “Quem não me ouve...não pode ser curado” (Mt 13, 15).

2 - Não menos grandiosa é a segurança que o Filho de Deus desperta em nós sobre a vida eterna. Até a vinda de Jesus a humanidade não sabia, com segurança, se havia vida após a morte. Entre os judeus havia muitos grupos que admitiam que a vida se encerrava aqui mesmo.

Mas Jesus veio encher o coração da humanidade com uma esperança consoladora: os nossos anseios de vida sem fim são legítimos. “Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11, 25). Como que para nos confirmar nessa fé, o próprio Salvador ressurgiu. Assim deu um  sentido pleno à nossa existência.

3 - Mas o que chama muito a atenção é o ensinamento inédito de Jesus de amar os inimigos. É até inaudito. Nem mesmo as grandes religiões da Ásia chegaram a essa altura. Com isso fica eliminada a possibilidade de vingança. O inimigo arrependido recebe o perdão, e o discípulo de Jesus não será estorvo para nova tentativa de acertar. É uma regra de ouro para a convivência humana.

Com poesia e com realismo, olhemos para esse Menino, benfeitor de todos.



 
 
xm732