Colunas
 
O que vamos esperar?
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

As esperanças humanas são legítimas e merecem ser cultivadas. Mas quando se transformam em ideologias, eclipsam a esperança cristã, e enchem  as mentes de falsos objetivos.

Basta olhar a ideologia comunista, que advogou por décadas o “paraíso terrestre” que, enfim ficou mais uma vez procrastinado.

As ideologias toleram a esperança cristã, mas só em âmbito privado. Mas ao contrário, nós queremos devolver a esta virtude cristã, que nasce da fé, toda a sua  profundidade.

O nosso querido Papa Bento XVI chegou a dizer, na encíclica “Spe Salvi”, que sem Deus não há esperança. “Outrora éreis sem esperança, e sem Deus”       (Ef 2, 12).

O homem moderno dá a impressão de querer reclamar para si a tarefa de redimir-se a si mesmo. É verdade que a ciência moderna aumentou, de maneira inaudita, o domínio humano sobre a natureza. Isso capacitou a humanidade a instaurar a possibilidade de uma nova ordem  social , justa e harmoniosa. A ciência, a técnica, a ação política e o desejo do progresso ilimitado levaram o “homo sapiens” a conquistar um maior bem-estar. Até aqui está tudo certo. Pois isso foi incumbência recebida do Criador:  “Multiplicai-vos e dominai a terra” (Gen 1, 28).

 O problema reside no fato de se buscar apenas um progresso material. O progresso virou um dogma, que procurou substituir a esperança cristã, que tem como fulcro a redenção que vem do alto. Para dirimir equívocos, seja reafirmada a capacidade (e o dever) que o homem tem de aperfeiçoar o mercado, a democracia e o progresso. Mas estejamos atentos para a ambivalência.

Existem as esperanças, isto é, o progresso imanente, o domínio das enfermidades, a superação dos males, a comodidade da vida, o combate à ignorância. E existe a esperança: o progresso moral, a paz, a liberdade, o sentido último da vida, a redenção após a morte, a libertação do sofrimento incompreensível.

As esperanças estão nas mãos do homem, onde Deus nos pode ajudar. A esperança é saciada, tendo como referência o Ser por excelência. É o anelo fundamental. É a salvação, que dá sentido a uma vida inteira. Ao começarmos a nova década enchamos o coração de esperanças. Mas deixemos o espaço privilegiado para a esperança.



 
 
xm732