Colunas
 
Ainda vale o velho princípio?
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

Foram os grandes pensadores do cristianismo primitivo que compararam a Igreja à arca de Noé: somente os homens que estiveram a bordo dessa embarcação conseguiram se salvar das águas do dilúvio, segundo narra o Livro Sagrado. É a figura da Igreja Católica.

Tal princípio jamais foi desdito, mas ao contrário, vários Concílios o reafirmaram.  “Fora da Igreja não há salvação”, segundo afirma Santo Agostinho, parece uma afirmação por demais dura e excludente. Mas positivamente entendida, expressa a vontade do Salvador.

Isso significa que a salvação vem de Jesus Cristo-Cabeça, através da Igreja, que é seu corpo, Ela é necessária para a salvação. O caminho da salvação é Cristo, que se torna presente no seu Corpo (Igreja). Precisamos ligar essas duas verdades: “Deus quer salvar a todos os homens” (1 Tim 2,4);  e  a Igreja é necessária para alcançar essa salvação, por ser a única esposa do Salvador. Abandonar a Igreja Católica, para buscar milagres (quase sempre falsos) em outras comunidades, ou buscar vantagem financeira  garantida  - buscam a prosperidade neste mundo – é  um ato de apostasia da fé. O que as Escrituras falam disso - basta conferir o julgamento severo de 1.Jo 9-11.

A unicidade da Igreja - “sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 16,18) – reclama de nós uma aceitação firme. Eu creio na Igreja una, santa, católica e apostólica.  É artigo de fé. Mas se continuamos a manter permanentemente que só na Igreja Católica se alcança a salvação, mantemos com a mesma firmeza que esse princípio admite razões históricas.

Ela não visa aqueles, que sem culpa, desconhecem a Cristo e à sua Igreja. Aqueles que buscam a Deus com coração sincero e reto, e seguem sua consciência, podem conseguir a salvação eterna.  Deus pode, por caminhos, só dele conhecidos, levar à fé. “Sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11, 6).

Nesta salvação estão envolvidos, de alguma forma, os pagãos, os seguidores de falsas denominações, os homens e as mulheres de boa vontade. Neste mundo, em que se troca de partido político segundo as conveniências, mudam-se costumes e de vestuário de acordo com a moda, a nossa fé católica deve permanecer firme. “Só quem perseverar até o fim será salvo”  (Mt 10, 22).



 
 
xm732