Colunas
 
Esperanças da Igreja na Amazônia
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

Tendo participado de uma excursão de 11 Bispos da CNBB, pela imensa Amazônia,  durante dez dias, procurei ir além da beleza  da selva e dos imensos cursos fluviais. Fixei minhas atenções, com olhares de fé, para a realidade da Igreja e de seu povo fiel.

Não foi difícil ver os esforços hercúleos de todas aquelas Prelazias e Paróquias, em caminhar com as demais comunidades católicas do país.

As dificuldades de organização concreta são quase desanimadoras: falta de estradas, distâncias enormes, falta de recursos financeiros, impossibilidade prática de fazer grandes reuniões de planejamento, falta pertinaz de agentes de pastoral leigos, escassez permanente de Padres e Religiosas. “Paulo teve uma visão. Um macedônio lhe suplicava: venha à Macedônia e ajude-nos” (At 16, 9). As Dioceses estão pedindo socorro. Parece até que os países europeus tem mais missionários na região do que o centro-sul do Brasil.

Por haver uma grande ausência do poder público, as Paróquias precisam preocupar-se, além do mais, em abrir escolas e centros de saúde. Tais instituições são vorazes consumidoras de recursos financeiros, e de pessoal especializado.

As viagens, feitas normalmente através de rios e de igarapés, são muito dispendiosas e demoradas. Em não poucas prelazias, o próprio Bispo visita as comunidades ribeirinhas, levando a força da fé a todos. Tais “desobrigas” levam várias semanas para se completarem. Várias prelazias tem entre um e cinco Padres para trabalhar. Pelo acúmulo de serviços pastorais, que lhe são atribuídos, são verdadeiros heróis. Concluí que, para enviar missionários para as selvas, de pouco adianta as Dioceses enviar 1 voluntário. Precisam ser pelo menos dois ou três.

Quanto à cultura indígena, sou do parecer de que se devem respeitar seus costumes, mas leva-los à fé católica. Os que permanecem na sua cultura tradicional, sem nenhum apelo à conversão cristã, sofrem desvantagens em todos os sentidos, inclusive na sua saúde e na sua conscientização. “A mensagem de Jesus Cristo foi anunciada a todos os pagãos, para conduzi-los à obediência da fé” (Rom 16, 26). Não nos devemos envergonhar do evangelho, mas propo-lo com convicção e mansidão.



 
 
xm732