Colunas
 
Pomo de discórdias
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

A mãe de Jesus deveria ser fator de união entre os cristãos. Jesus entregou-a para ser a Mãe de seus irmãos. “Eis aí a tua mãe” (Jo 19, 27).

Mas de fato existem sérias divergências por parte das comunidades reformadas. Estas, repetidas vezes se manifestam contra o marianismo católico.

As incompreensões são advindas, não mais por parte das cabeças pensantes e das grandes lideranças dos assim chamados evangélicos (que reconhecem a origem bíblica da nossa devoção), mas provém de representantes do “segundo escalão”. O coração mariano dos católicos os tira da boa convivência ecumênica.  

Num gesto de desdém nós poderíamos ignorar tais incursões, e considerá-las afrontas à liberdade religiosa, direito garantido pela nossa Constituição. Mas, realmente, nós nos sentimos incompreendidos. Não nos conformamos quando vemos pessoas que muito amam a Jesus, e no entanto, sentem vertigens diante da maternidade universal de Maria.  Existem, diante do marianismo, dois sérios perigos.

O primeiro perigo é o que na prática médica se chama de hipertrofia. Esse fenômeno ocorre, por exemplo, quando exercitamos muito um determinado músculo. A resultante será um desenvolvimento muito acentuado de tal músculo. Isso ocorre com os nadadores, cujos músculos braçais tanto crescem – devido ao repetido exercício – que mais parecem músculos da coxa. O mesmo acontece com o movimento mariano dos católicos.

Quanto mais nossos irmãos, de corte protestante, nos criticam a respeito de Maria, tanto mais nós afirmamos sua excelência e sua verdade bíblica. E assim, do nosso lado, podem acontecer exageros, que ultrapassam a sã teologia mariana. Fomos convidados, em 1975, por Paulo VI, a seguirmos um caminho de autenticidade mariana (“Marialis cultus”). Mas em grande parte, bastaria que os irmãos separados parassem de nos criticar, para tudo entrar nos eixos. Mas existe o fenômeno inverso: a atrofia.

Trata-se da redução de um órgão inativo. Por exemplo, quando engessamos uma perna, por muito tempo, o resultado que aparecerá é os músculos perderam massa. Só muito exercício terá a capacidade de recuperar a normalidade dos movimentos. Será que não existem pessoas que, por falta de abertura ao marianismo, atrofiam parte da mensagem cristã? “O Senhor guarda a todos os que o amam”  (Sl 1445, 20).



 
 
xm732