Colunas
 
Ainda existe preceito dominical ?
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

O maravilhoso mundo moderno trouxe uma liberação geral. Se isso proporcionou uma chance para maior responsabilidade, também abriu as comportas,  por onde se escoaram muitos dos valores religiosos, que levaram séculos para se consolidar.

Mas ao mesmo tempo trouxe, a reboque, novos preceitos: á noite não devemos sair à rua, (por causa dos assaltantes); a nossa alimentação deve ser extremamente controlada, (para manter a forma)...

Com isso caiu o mandamento da Igreja, de participar de missa dominical? Se o entendermos apenas como uma obrigação legal, então sim. Mas se o entendermos como baliza de orientação, motivação para nossa espiritualidade, e reforço para nossas inconstâncias, então a resposta é negativa. Não caiu. Ainda vale, portanto, o antigo preceito de participar da Eucaristia, no dia do Senhor?

Parece que existe uma amnésia bastante generalizada, em certos meios cristãos, sobre essa regra de ouro. O que ensinam as Escrituras é esquecido. “Não deixemos as nossas assembléias, como alguns costumam fazer. Procuremos animar-nos sempre mais” (Hb 10, 25).

Em que pese a recomendação bíblica, muitos praticam esportes, realizam passeios, promovem festas familiares, visitam amigos (todas ocupações muito boas), mas esquecem a oração. Sempre foi possível fazer ambas as coisas. “No dia do Senhor, o Espírito tomou conta de mim” (Ap 1, 10).

O domingo, o dia de Jesus e da Eucaristia,  é um momento denso de significados. Nele a comunidade se reúne para celebrar a ressurreição de Jesus. A oração comunitária serve de força motivadora para os trabalhos de toda a semana.

É como se estivéssemos começando uma nova criação. Para os cristãos, nos seus 20 séculos de existência, a celebração dominical tornou-se o primeiro de todos os dias, e a primeira de todas as festas. Por isso, nele nos abstemos de trabalhos que venham a dificultar ou a suprimir a oração.

A missa não deve ser olhada como um preceito, mas como uma graça, que nos insere dentro da comunidade de irmãos. Nossa presença na Eucaristia dominical enche a semana de sentido. Plenifica o coração de felicidade, por podermos prestar a Deus um culto exterior e público.

Tal celebração traz benefícios de paz para toda a humanidade. Então, o preceito continua em vigor. Mas devemos considerá-lo como provindo do coração de uma mãe carinhosa, que é a Igreja.



 
 
xm732