Colunas
 
Há cura para a fadiga do Espírito?
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

Nada alcança a perenidade neste mundo; nenhum ser vivo guarda a plenitude do seu viço; nem os inanimados mantém o frescor inicial. Alguém pode cuidar exemplarmente do seu automóvel. Mas paulatinamente o motor e as peças da carroceria entram em fadiga.

Não há automóvel centenário. Se algum desfila com essa descrição, com certeza muitas peças foram substituídas, ou até apenas sobrou o modelo. Mesmo as atividades intelectuais entram em estafa. As teologias também podem penetrar na zona da penumbra. Pouco a pouco seu brilho se esmaece.

Como podemos perceber a senectude de uma linha de pensamento? Quando começa a se preocupar com problemas irrelevantes, ou procura dar respostas a uma pergunta que ninguém fez. A confusão e a briga interna são provas de que sua mensagem se esgotou. A história é retilínea e não circular (repetitiva). O que uma vez baqueou não volta mais. O comunismo, com a queda do muro de Berlim, arriou e não torna a se levantar. Poderá até reaparecer, mas em formas bem diferentes. Só existe uma força que é capaz de rejuvenescer um ser criado pelo homem. É a força do Espírito Santo que “renova a face da terra”  (Sl 104, 30).

Tendo participado de um Congresso da Academia Marial, em Aparecida, pude perceber a mesma coisa. A mariologia alcançou, em certas épocas, os píncaros da perfeição. Já em outras afundou em pietismos, em  preferências visionárias duvidosas, e até em confusões teológicas, onde Jesus fica em situação de submissão. (Com evidentes reclamações dos verdadeiros devotos).

Tais confusões o Concílio, dentro da sóbria orientação da “Lúmen Gentium”, pôs nos devidos lugares. Maria se torna a fiel discípula do Senhor, e nosso modelo de perfeição cristã. Logo em seguida Paulo VI, através da exortação “Marialis Cultus”, deu uma orientação definitiva, na qual resplandece, com novo vigor, a devoção mariana. Maria é a nossa intercessora, um exemplo de vida cristã, a intercessora junto a Cristo. Houve uma reorientação de um  valor cristão.

Conservando os antigos princípios, e sem desmerecer as glórias da maternidade divina, o marianismo tornou-se mais bíblico, e mais fiel à verdadeira tradição da Igreja. Só o Espírito é capaz de renovar, sem ferir, e sem trair. E por cima ainda, dar um novo impulso na busca da perfeição.



 
 
xm732