Colunas
 
Há motivos para tanto medo?
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

Um dos meios, bastante seguros, para recuperar a saúde e a plenitude das funções físicas, nos tempos modernos, é o transplante de órgãos. Hoje  se realizam  transplantes de córnea, de rins, de fígado, de pâncreas, de coração, de pele, e até de rosto, entre outros.

Não me refiro aqui aos transplantes, efetivados na mesma pessoa (p.ex. porções de pele, retiradas de uma região do corpo, para socorrer outra região gravemente afetada, da mesma pessoa). 

Tal intervenção goza do privilégio de não sofrer rejeições do organismo, pois o corpo “reconhece” como suas essas partes. Estou puxando, no entanto, a conversa, para a doação de órgãos sadios, destinados a outras pessoas.

De imediato, ao falar nessa possibilidade, entram em cena várias resistências. De onde viriam tais oposições? Penso que na primeira linha estão as experiências antipáticas, realizadas por médicos nazistas, que desconsideravam qualquer medida ética. Não se furtavam a praticar absurdos fisiológicos, nem muito menos se preocupavam em obter a autorização explícita das pessoas envolvidas. Também estão guardadas em nosso inconsciente, os roubos de crianças indefesas, para retirar-lhes os órgãos, e vende-los a “gente boa”. 

A vigilância internacional já debelou esses atos criminosos. Na linha da resistência também contam os barões  intermediários que, inúmeras vezes, conseguiram se locupletar com a venda ilícita de órgãos. Isso hoje é difícil de se repetir. Mas ainda há pessoas da mais alta categoria, que imaginam não poder ceder órgãos aos nossos semelhantes, porque então, na ressurreição dos mortos faltaria um dos órgãos.Ora, nós perdemos células durante a vida toda.

E nenhuma delas vai nos fazer falta, simplesmente porque o Pai Eterno, que nos criou com infinito poder, também saberá suprir qualquer órgão que nos tenha faltado em vida. Caso contrário o Cristo não poderia ressuscitar, porque ele, além de nos doar sua vida, fez doação de seu sangue até a última gota. “E do seu lado saiu sangue e água” (Jo 19, 34).

O corpo glorificado de Jesus, após a ressurreição, estava completo. Nada lhe faltava para ser um perfeito homem. Ademais, as leis que hoje regem a doação de órgãos, não dão mais chance para práticas criminosas. Em frente, leitor. Vamos ajudar os outros. Os órgãos, que forem úteis para alguém, devem estar disponíveis.



 
 
xm732