Colunas
 
Confissão: Prática mais do que moderna
Por: DOM ALOÍSIO ROQUE OPPERMANN
SCJ ARCEBISPO DE UBERABA, MG
 
Leia os outros artigos
 

Quem diria? Confessar-se é psicologicamente atualíssimo. Na práxis católica podemos não só fazer uso do “divã”, para descarregar as nossas culpas e angústias, como oportuniza a psicologia.  Muito tempo antes de Freud, o sacramento da penitência sempre já foi uma catarse.

Mas não só isso.  Além dos recursos da ciência, e do alívio das angústias, a confissão pode ser uma cura da alma, que a ciência não pode conceder. Pela graça do Divino Espírito Santo a Penitência pode restituir a vida em Cristo. Sabemos muito bem que trazemos os tesouros divinos “em vasos de argila” (2Cor 4,7).

Esta vida nova de filhos de Deus pode ser perdida pelo pecado. Então o médico divino de nossas almas e de nossos corpos, o Cristo Senhor, através da Igreja, realiza sua obra de cura e salvação, em quem quer se converter. Quem se aproxima do sacramento da confissão, obtém da misericórdia divina, o perdão – repito, o perdão e não só o alívio – da ofensa praticada contra Deus. E é reconciliado também com sua comunidade cristã. Trata-se de conversão. “Vou me levantar e encontrar meu pai” (Lc 15, 18).

Todos deveríamos ser “santos e irrepreensíveis” (Ef 5, 27). Mas a realidade é outra.  Estamos sujeitos a escorregões, e até a quedas lamentáveis. E isso nos rouba o dom de Deus.

O apóstolo S. João até diz que quem afirma que não tem pecado é um mentiroso. Por isso, essa segunda conversão é necessária, e até diria, ininterrupta. O coração contrito é uma graça do Espírito Santo, que nos leva à purificação. Portanto, não é só uma obra humana. É uma resposta ao amor misericordioso do Pai.

Santo Ambrósio diz que na Igreja “existem a água e as lagrimas: a água do Batismo e as lágrimas da penitência”. O que hoje causa uma grande perplexidade é o abandono, ou o adiamento a perder de vista, dessa riqueza que Cristo nos deixou. Amplia-se cada vez mais o apelo aos recursos humanos da psicologia – o que é um bem – e se esquece cada vez mais a declaração dos pecados ao sacerdote, para obter o perdão divino.

Será que não estamos, mesmo cheios de angústias e de medos, morrendo à míngua ao lado da fonte de paz e da autoestima?



 
 
xm732