Colunas
 
A vivência das Bem-aventuranças
Por: Padre Wagner Augusto Portugal
 
Leia os outros artigos
 

As bem-aventuranças são o anúncio da felicidade, porque proclamam a libertação e não o conformismo ou a alienação. Elas anunciam a vinda do Reino através da Palavra e ação de Jesus. Estas tornam presente no mundo a justiça do próprio Deus. Justiça para aqueles que são incômodos para uma estrutura de sociedade baseada na riqueza que explora e no poder que oprime.

A constituição do povo de Deus não impõe leis. Jesus simplesmente constata a situação do povo que o segue (pobres, afligidos, mansos, famintos); percebem o esforço que fazem para mudar a situação (misericórdia, solidariedade, pureza de coração, promoção da paz); conhece as dificuldades e perseguições que enfrentam para criar a nova sociedade, e os proclama felizes, herdeiros do projeto de Deus.

Os que buscam a justiça do Reino, portanto, são os pobres em espírito, sufocados no seu anseio pelos valores que a sociedade injusta rejeita, esses pobres estão profundamente convictos de que eles têm necessidade de Deus, pois só com Deus esses valores podem vigorar, surgindo assim uma nova sociedade.

A constituição que Jesus promulga no sermão da montanha nasce da constatação das lutas do povo sofrido. Deus se solidarizou com o seu povo em caminho, confiando-lhe o Reino.

A vivência das bem-aventuranças é a vivência, em nossa vida das mensagens que Jesus trouxe do Pai para nós.

Olhando para os que nos precederam, santos e mártires, somos convidados a nos questionar sobre nosso caminho de santidade. Somos filhos de Deus e nossa filiação se traduz na prática da justiça. A prática da justiça corresponde à vivência das bem-aventuranças. Ao tentar vivê-las, deparamo-nos com conflitos, calúnias, perseguições e morte patrocinados pela sociedade estabelecida, que não aderiu ao projeto de Deus. A memória dos mártires da caminhada é esperança e conforto: Jesus tem a última palavra sobre os conflitos e as forças do mal. É urgente que nós denunciemos e resistamos em meio às tribulações, Não há outro caminho de santidade, do que lutar contra o pecado e nos colocarmos como discípulos-missionários de Jesus Cristo, modelo de santidade e de vida.



 
 
xm732