Colunas
 
Dona Neusa que eu conheci.
Por: Padre Wagner Augusto Portugal
 
Leia os outros artigos
 

A gratidão é uma das virtudes que eu sempre apreciei. O bom cristão é aquele que é grato as pessoas que foram “anjos” em sua vida. Ainda adolescente, estudante do Colégio São José, passei a ser amigo e companheiro de Sociedade de São Vicente de Paulo do Sr. Mateus Antônio Barbosa, primogênito de Dona Neusa Lara Barbosa, que tanto me edificou pelas suas grandes virtudes cristãs.

Nessa amizade sincera pude muitas vezes freqüentar a residência dos Lara Barbosa, na rua Coqueiral, e não raras vezes tive a alegria de me sentar a mesa de Mateus e de Dona Neusa para a sopa da tarde. Assim sempre que chegava Dona Neusa era atenciosa, sorridente, cativante, por dentro de todos os assuntos e sempre informada acerca de tudo que a cercava. O que mais me encantava era que Dona Neusa sempre era um mulher de muita oração e de uma caridade silenciosa.

Nos últimos meses tive a alegria de visitar a Dona Neusa, na manha do sábado em que comemorou seu aniversário natalício. Foi uma visita rápida, mas ela reconheceu a minha voz, conversamos, rezamos e no final da visita, ao lado do Mateus, ela pediu a minha bênção sacerdotal, sempre com a sua carinhosa manifestação: “Filho”, que ela se dirigia a todos os que ela nutria admiração, me dê a sua bênção. Dei a bênção e notei o tanto que Dona Neusa gostava da vida e era atenta a tudo que estava ao seu redor. Dom Dimas naqueles dias estava em Roma, na visita anual da Presidência da CNBB ao Sumo Pontífice, e de tudo ela dava notícia, até fazendo questão de dizer que havia falado ao telefone com seu filho bispo há poucos minutos.

No Natal e no Ano Novo a Paróquia em que trabalho teve a grata alegria de receber Dom Dimas para presidir a Missa da Vigília. No Natal dona Neusa ainda não estava internada e no Ano Novo já estávamos rezando pela sua recuperação. Mas Deus Nosso Senhor chama aqueles que Ele ama em sua insondável misericórdia. Por isso ele chamou Dona Neusa, na manhã no dia 05 de janeiro, para que ela junto de seu marido, Sr. Antônio Barbosa vivam a vida permanente da alegria das bem aventuranças do céu.

Dona Neusa é, sem medo de errar, alguém a quem devemos, doravante, invocar como intercessora junto de Deus, porque ela em vida neste mundo colocou apenas a sua inabalável confiança em Deus. Viveu para Deus e para a família que constitui pelos filhos Mateus Antônio, Irma, Fernando e Dom Dimas.

O testemunho, o sorriso, a confiança em Deus, a dignidade e centralidade da família, a caridade discreta, a modéstia e a humildade são os bens que Dona Neusa Lara Barbosa deixam como bens inalienáveis de seu testamento espiritual, como aspiral de vida para seguirmos seus caminhos luminosos que nos levam à Deus.

Dona Neusa não morreu, vive junto de Deus e é nossa mediadora. Que possamos seguir seus passos. Essa foi a santa mulher, mãe, vicentina, católica que conheci.



 
 
xm732