Colunas
 
O catequista e o laicato
Por: Padre Wagner Augusto Portugal
 
Leia os outros artigos
 

A Exortação Apostólica “Christifidelis Laici”, do Papa João Paulo II, ao responder uma indagação sobre quem são os leigos, conceitua-os com base na Constituição “Lumen Gentium”, como “os cristãos que não são membros da sagrada Ordem ou do estado religioso reconhecido pela Igreja Católica, isto é, os fiéis que, incorporados em Cristo pelo Batismo, constituídos em Povo de Deus e tornados participantes, a seu modo, do múnus sacerdotal, profético e real de Cristo, exercem pela parte que lhes toca, na Igreja e no mundo, a missão de todo povo cristão”.

No povo de Deus, merece destaque a figura dos(as) catequistas, uma vez terem recebido um mandado especial de transmitir às crianças e adultos a Doutrina e os ensinamentos da Mãe Igreja. Uma vez incorporados em Cristo pelo Batismo, o(a) catequista recebe a missão especial de evangelizadores e educadores do povo de Deus, especialmente pelo ministério específico da Palavra.

O episcobado brasileiro, no Documento “Catequese Renovada” nº 26, da CNBB, destaca que “a comunidade não dispensa a figura do catequista; ao contrário: em função do papel da comunidade na Catequese, e também devido às transformações sociais e culturais do nosso tempo, estamos descobrindo um novo tipo de catequista: alguém que integrado na comunidade, conhece bem sua história e suas aspirações e sabe animar e coordenar a participação de todos”. O referido documento lembra, ainda, que “o catequista é, de certo modo, o intérprete da Igreja junto aos catequizandos; ele lê e ensina a ler os sinais da fé, entre os quais o principal é a própria igreja. (...) Desenvolve um verdadeiro ministério, um serviço à comunidade cristã, sustentado por especial carisma do Espírito Santo”.

Vemos, então, que a tarefa primordial do(a) catequista é apresentar a pessoa de Jesus Cristo, como caminho, verdade e vida, com o fim de o cristão vislumbrar n’Ele o encanto da vida e alegria de viver, na medida em que o conhece, o ama e, seduzido por sua pessoa, procura fazer o que o Senhor fez junto aos pobres, excluídos e marginalizados.

O Catecismo da Igreja Católica no item 426 afirma que “no centro da catequese encontramos essencialmente uma Pessoa, a de Jesus de Nazaré, Filho único do Pai..., que sofreu e morreu por nós e agora, ressuscitado, vive conosco para sempre... Catequizar..., é desvendar na Pessoa de Cristo todo o desígnio eterno de Deus que nela se realiza. É procurar compreender o significado dos gestos e das palavras de Cristo e dos sinais realizados por Ele. A finalidade definitiva da catequese : Levar à comunhão com Jesus Cristo: só Ele pode conduzir ao amor do Pai no Espírito Santo e fazer-nos participar da vida da Santíssima Trindade.”

O(a) catequista chamado a anunciar Cristo deve primeiro conhecer, aceitar Cristo, seus critérios e modo de vida, pois desse conhecimento amoroso é nasce o desejo de anunciá-lo, de evangelizar e de levar a outros a aderir na fé o Cristo Jesus. Na catequese, o que importa mesmo, é revelar com toda clareza a alegria e as exigências do caminho de Cristo, criando, assim, uma vida nova, pois, como acima dissemos, Cristo é o caminho, a verdade e a vida ( Jo, 14,6).

Contemplando Jesus Cristo, transmitido na fé pelo(a) catequista, os fiéis têm um caminho seguro para esperar que Ele realize neles promessas de alívio aos cansados pelos embates da vida: “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso” (Mt 11,28).

Devemos ressaltar que todos os féis cristãos são chamados a evangelizar. Entretanto, entre os chamados com uma missão especial estão os(as) catequistas. Por isso, são eles os principais educadores para a fé, levando o cristão a aderir à pessoa de Jesus Cristo, à sua mensagem de salvação, para que ele assuma um compromisso de libertação do oprimido, do pobre e do marginalizado, atitude e ação sempre presente na vida do Salvador.

Nesse sentido quero, abraçar a todos os catequistas, particularmente os da Paróquia de Santa Rita que, guiados pelo nosso pároco, Padre João Luiz da Silva, levam o tesouro de Jesus Cristo a todos os que querem ser discípulos e missionários de Jesus Cristo num mundo tão conturbado como o nosso, em que a resposta está no centro da mensagem católica: Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida (Jo 10,10). Amém!



 
 
xm732