Colunas
 
Beato João Paulo II
Por: Padre Wagner Augusto Portugal
 
Leia os outros artigos
 

Nesta semana, a primeiro de maio de 2011, Festa da Divina Misericórdia, pela primeira vez na história eclesiástica o Soberano Pontífice Romano, gloriosamente reinante, BENTO XVI, terá a grata alegria e a imensa graça de elevar à glória dos altares, o seu imediato predecessor o Santo Padre JOÃO PAULO II.

Quem de nós, brasileiros, não se lembra daquela música da década de 80 do século passado que até hoje cala fundo em nossos corações: “A bênção, João de Deus. Nosso povo te abraça! Tu vens em missão de Paz, sê bem vindo e abençoa este povo que te ama! A bênção, João de Deus!”. É do conhecimento de todos que conviviam com o Papa João Paulo II nos aposentos pontifícios, que anos e anos após a visita, ele cantarolava esse música pelos corredores do Vaticano.

Realmente esta música povoou a minha infância, quando aos seis anos, me lembro bem da alegria incontida com a primeira visita apostólica de um papa ao Brasil em 1980. Fato que se repetiu, igualmente, nas visitas de 1991 e 1997 ao nosso país e que, certamente, voltará a ser cantada pelos brasileiros, neste domingo, na Praça de São Pedro e pelos que acompanharão pela TV e internet.

João Paulo II foi o homem que transmitia a santidade pelos seus gestos singulares, pelo seu sorriso acolhedor, pela sua indignação com a violência, com a fome, com a guerra, com o ateísmo.

Homem de Deus transpirava o Senhor, de quem era o Seu Vigário na terra, condenando os desmandos e anunciando a liberdade que vem de Cristo e a Verdade daqueles que seguem ao Seu Evangelho da Vida, anunciando sempre a Esperança e a Santidade.

Pessoalmente estive com o Papa João Paulo II em Roma quando pude contemplar a santidade que brotava de seus gestos, de sua capacidade de ouvir, de sua capacidade de exprimir o que sentia, ou seja, a santidade que viveu intensamente, dando até a sua vida imolada em favor da humanidade, fazendo sempre a vontade de Deus, pela materna ação de Maria Santíssima, “Totus Tuus”, a quem confiou o seu longo ministério de Pontífice Máximo ao longo de vinte seis anos, um dos mais longos e profícuos pontificados da Igreja Católica.

Gostaria de ressaltar que o Papa João Paulo II determinou a feitura e promulgou o último documento fruto do Concílio Vaticano II, ou seja, o Código de Direito Canônico por ele promulgado em 25 de janeiro de 1983, com a “Sacrae disciplinae leges Catholica Ecclesia”.

É bom lembrar que a beatificação consiste na concessão de culto público em forma indultiva e limitada a um Servo de Deus, cujas virtudes a nível heróico, ou seja, o Martírio, tenham sido devidamente reconhecidas, como é evidenciado pela fórmula relativa: "... facultatem facimus ut Venerabilis Servus Dei N. N. Beati nomine in posterum appelletur, eiusque festum... in locis ac modis iure statutis quotannis celebrari possit".  Nesse sentido a veneração do Beato João Paulo II estará limitada, inicialmente, a Roma e à Polônia. Por exemplo, para que um Bispo Diocesano possa erigir uma Paróquia dedicada ao novo beato deverá pedir uma licença especial a Santa Sé.

Em breve, com a graça de Deus, veremos o Beato João Paulo II, com a força dos milagres que já vem realizando, ser elevado à honra dos altares. Tenhamos a tenacidade de invocar a intercessão do novo beato em favor de nossas necessidades para que, a sua intercessão, seja para nós bálsamo neste vale de lágrimas.

Feliz iniciativa a do Papa Bento XVI de beatificar o seu predecessor, amigo e irmão que o convocara para presidir o então Santo Ofício, hoje Congregação para a Doutrina da Fé, a agora apresentar o Santo João de Deus na festa da Divina Misericórdia. Realmente misericordioso o Papa João Paulo II quer nos ensinar a ser a voz da misericórdia de Deus aos nossos irmãos pela nossa vida e pela imitação de seus exemplos e de sua santidade.

Ao lembrar, ex coorde, do grande Beato João Paulo II confiemos a sua intercessão em favor de seu querido e amado amigo e confidente, nosso venerável, magno e igualmente santo nas virtudes e no agir, Sua Eminência o Cardeal Eugenio Sales, que termina a sua longa e apreciada coluna semanal A PALAVRA DO PASTOR. Bispos como Woytila, Sales, Tempesta, nos colocam no caminho da santidade.

Rezemos com fé: Beato João Paulo II rogai por nós!



 
 
xm732