Colunas
 
Conhecer e reconhecer
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
ARCEBISPO DE UBERABA - MG
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 


Os dois verbos, “conhecer e reconhecer”, são fundamentais para a construção de uma identidade qualquer. Isto exige ser próximo e ter bom relacionamento, principalmente quando, o que deve ser conhecido, é pessoa humana. A convivência social e o diálogo causam encontros, possibilitando maior identificação entre as pessoas. O individualismo é porta fechada para acontecer esse processo de conhecimento.

Um bom relacionamento está ligado ao conhecimento da conduta do outro. Sem isto, a afinidade não deixa de ser superficial, vazia, e dificulta um compromisso sustentável na convivência. “Ninguém ama aquilo que não conhece”. Caímos no enfraquecimento das normas de direitos e deveres, abrindo espaço para atitudes injustas.

O ser humano é muito complexo, com capacidade para práticas de grandeza, orgulho, domínio, auto-suficiência e coisas parecidas. Mas também pode ter atitudes concretas de humildade e simplicidade, podendo, com isto, ajudar ou não na fraternidade comunitária. Portanto, as pessoas podem fazer o bem ou o mal dependendo de sua maneira de ser na convivência.

O cristão, ou o cidadão, não pode ser arrogante, mas todos devem ter consciência de que o ser humano é dependente de Deus como princípio de todas as coisas. É importante conhecer e reconhecer Jesus Cristo como presença de Deus na vida. Quem O conhece e reconhece é marcado pelo amor e pela prática de justiça.

Jesus se apresenta como o bom pastor, que conhece e reconhece suas ovelhas. Ele é diferente do mercenário, que não é reconhecido por elas. O mercenário é um estranho, às vezes desconectado com os interesses e necessidades que elas têm. Ele abandona as ovelhas quando aparece um lobo perigoso e as deixa sem amparo.

Interessa ao bom pastor a vida plena e a dignidade das ovelhas. Ele tem bons propósitos e sai de si mesmo para ajudar a todos. Jesus criava intimidade com as pessoas, principalmente com as mais pobres e marginalizadas. Sua vida foi toda colocada a serviço das ovelhas. Prática quase impossível numa sociedade marcada por violência, egoísmo, consumismo, intolerância e falta de amor verdadeiro.

 
 
xm732