Colunas
 
Para que violência
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
ARCEBISPO DE UBERABA - MG
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 


Algumas atitudes que, em várias ocasiões praticamos, são bastante contraditórias, porque trazem consequências preocupantes para a realidade atual da sociedade. Quando falamos de violência, de vingança, de ódio, de bondade, de mansidão, de amor etc., pensamos em ações feitas com o uso da liberdade, supondo também a prática da responsabilidade.

Mas não é isto que temos visto em muitas ocasiões da sociedade moderna. A palavra "violência" tem tomado uma direção assustadora, que desinquieta as pessoas das variadas condições no seu estado de vida. As práticas violentas têm atingido os ricos e os pobres, inclusive eliminando vidas de pessoas totalmente inocentes.

Podemos dizer que as violências têm ressonância nos aspectos da vida militar, política, intelectual, cultural e religiosa. Mas para que tanta violência se a vida pode ser saudável quando praticamos a bondade e somos fraternos? Parece que falta humildade no coração das pessoas e, por isto, não são capazes de perdoar.

Convivemos com uma situação constante e preocupante de medo generalizado. Dizemos que a causa está na má distribuição dos bens da natureza. Culpamos a incidência da droga, do narcotráfico, da política mal conduzida, da ganância e coisas mais. Creio que falta um olhar para o testemunho de Jesus Cristo e para os indicativos de paz que Ele nos dá, que são encontrados em diversos textos bíblicos.

A mansidão de Jesus faz com que o seu jugo seja leve, seja contra qualquer atitude vazia de autossuficiência, de orgulho e de ostentação. Ele é mestre na prática de humildade, manso de coração e contra todo tipo de violência destruidora das pessoas. Não podemos ficar esperando resultado positivo e duradouro vindo da violência.

O violento sempre quer ter razão. O único argumento contra ele é constituído de humildade, de mansidão e de abertura do coração para Deus. As práticas desumanas e egoístas são contra os critérios da vida e contra a liberdade dos filhos de Deus. Terrorismo e banditismo são provocadores de novas violências e insegurança para toda a sociedade. Com isto vivemos armados uns contra os outros.

 
 
xm732