Colunas
 
Domingo de Páscoa
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
ARCEBISPO DE UBERABA - MG
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

O papa Francisco disse que “o cristão não pode ter cara de quaresma sem páscoa”. A ressurreição de Jesus Cristo mexe com a nossa vida, porque tudo deve ter sentido novo, provocando uma alegria que invade o coração das pessoas de fé. De uma vida de tristeza, sem esperança, surge uma forma nova de conduzi-la, tendo certeza de sua plenitude, entendida como dom de Deus.

A fé na ressurreição, que é o motivo principal da prática cristã, consegue derrubar muros, barreiras, desentendimentos e criar relações de fraternidade. Faz com que a pessoa seja mais humana e capaz de olhar para “as coisas do alto”, ficar invadida por atitudes de misericórdia e motivada para agir com entusiasmo na convivência com as outras pessoas.

Viver a Páscoa é deixar-se conduzir por Jesus Cristo e não aceitar permanecer no comodismo, na insegurança e na espera de receber tudo pronto. Deve ter atitudes positivas de acolhida respeitosa e de alteridade, sabendo ser amparado e orientado por aquele que trouxe vida com parâmetros novos e autênticos.

Uma cultura com esses novos parâmetros, dentro da visão da Páscoa, não pode ficar refém do individualismo, fechando as portas para as relações de fraternidade, para aquilo que identifica a pessoa como ser humano. É por isto que o tráfico de pessoas, apresentado pela Campanha da Fraternidade deste ano, fere gravemente o valor dos princípios da Páscoa.

Muitos brasileiros precisam ser resgatados de situações marcadas pelo sofrimento da falta de oportunidades. Entre eles estão os marginalizados e os que nem são contados no número comum dos cidadãos. Eles necessitam de uma Páscoa, de uma passagem para as condições de uma vida normal.

Desejar Feliz Páscoa é sempre bom e também indicativo de atitudes que caracterizam o novo modo de ser cristão. Temos que saber discernir o que realmente edifica o ser humano e o faz ser feliz. Quem permanece com o coração e a mente mergulhada em Deus, vive dignamente. Com isto estará cumprindo os ensinamentos da Palavra de Deus e tendo uma vida equilibrada.

 
 
xm732