Colunas
 
A esperança
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
ARCEBISPO DE UBERABA - MG
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

A esperança é uma marca indelével em nosso coração, que nos leva a aspirar por felicidade, dando sentido verdadeiro para a vida. Não ter esperança é perder o sentido da vida e corroer a essência do existir com as atitudes do desespero. O desânimo pode endurecer nossos sentimentos e é um caminho seguro para terminar no desastre da vida, que pode chegar até o suicídio.

A oração é a força para quem busca fortalecer sua esperança em Deus, indicando relacionamento com o Altíssimo. Acontece aí uma retomada de ânimo, de objetivos e de visão confiante no futuro. Espera quem insiste, como alguém que pleiteia direitos diante do juiz, conseguindo convencê-lo através da pertinência, da insistência e de cobrança.

Como anda a esperança do brasileiro. O envolvimento com a cultura do desespero é constante. A violência por todos os lados reflete insegurança. E o momento dos conchavos políticos revela futuro promissor, ou a história vai ser sempre a mesma? Será que podemos esperar por um país mais humano, digno e de confiança?

Não podemos prender os olhos nas tragédias da vida. Cada desgraça pode causar desânimo e desestímulo para a pessoa agir. Mesmo assim é importante contemplar a beleza da vida que enfrenta os desafios da esperança. É fundamental o desejo de continuar defendendo a vida na sua plenitude.

A esperança deve dar sabor para a vida, coragem para a luta e determinação para vencer. Perder a capacidade de sonhar é não entender as palavras de Paulo: “A esperança não decepciona” (Rm 5, 5). Não é qualquer esperança, como aquela só de ilusões e falsas promessas, mas que seja fundamentada nos princípios da vida.

A verdadeira esperança vem de Deus, daquele que pode fazer das realidades inseguras um caminho de realização plena, ainda na terra, e a dimensão da eternidade feliz. Essa esperança cresce na medida de nossa confiança em Deus e na realização de seu projeto de vida na terra. Na eternidade não haverá mais esperança, porque a vida será toda no amor total de Deus.

 
 
xm732