Colunas
 
Os discípulos mensageiros da Salvação
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
ARCEBISPO DE UBERABA - MG
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

O texto do evangelho de décimo quarto domingo do Tempo Comum está situado no início da subida de Jesus para Jerusalém.

Setenta ou setenta e dois, dependendo do manuscrito, é o número dos enviados. Baseando-nos em Gênesis 10, que diz serem setenta os números das nações que compõem a humanidade, podemos dizer que nosso texto diz respeito à universalidade da missão da Igreja, enviada pelo seu Senhor, “a toda cidade e lugar para onde ele mesmo deva ir”. Trata-se de colheita, pois o agricultor é Deus, é Deus quem faz a boa semente frutificar. Para esta missão universal é que Jesus dá as orientações. O conteúdo do anúncio é a proximidade do Reino de Deus: anúncio que deve ser feito mesmo em situações adversas. A proximidade do Reino de Deus, em primeiro lugar é sentida na pessoa de Jesus Cristo e deve ser prolongada historicamente no anúncio e na ação da Igreja, Corpo de Cristo.

Como o discípulo não é maior que o Mestre, os discípulos enviados devem ter presente a possibilidade de hostilidade, resistência e rejeição da missão cristã: “Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos”.

Mas não se paga o mal com o mal, por isso, o discípulo é portador da paz, que é dom do Cristo Ressuscitado: “dizei primeiro: a paz esteja nesta casa”. Na rejeição, sacudir o pó da sandália, isto é, não se deixar abater pelo fracasso, pois a segurança e a força vêm do Senhor. “Comer e beber do que tiverem”: é preciso viver cada dia, sem se preocupar com o amanhã. É indispensável se prevenir contra a tentação do sucesso: “Não passeis de casa em casa”

A missão é urgente, por isso, devem-se fazer escolhas claras.

A necessidade de ajuda para o exercício da missão será sempre grande, daí ser indispensável pedir àquele que a pode suscitar e oferecer: “Pedi ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para a sua messe”.

O sucesso pode ser uma tentação para os discípulos. Sua alegria e recompensa é que é Deus quem o admite ao seu serviço.

 
 
xm732