Colunas
 
O Senhor da vida
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
ARCEBISPO DE UBERABA - MG
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Deus, através dos profetas, dos apóstolos e de Jesus Cristo, liberta e salva as pessoas. Esta realidade perpassa pela Sagrada Escritura. Elias, em nome do Senhor, recupera a vida de um menino (I Rs 17, 22). Jesus ressuscita um jovem quando era levado para o sepultamento (Lc 7, 14). Paulo de Tarso se liberta de uma cultura do passado para uma nova ação missionária. E Jesus diz: “Todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais (Jo 11, 26).

Peregrinamos por um período de mudança de época, onde há o surgimento de coisas novas e de nova mentalidade que nos atingem a todos. É tempo de incertezas, de desafios e sintomas até de morte. A chegada do papa Francisco e seu jeito de ser nos ajuda a nos colocar no mundo como Igreja. Com isto dizemos que renasce uma nova Igreja e muito mais comprometida com os ideais de Cristo.

Muitos dizem que a Igreja está em crise e até anunciam sua falência terminal. Na verdade estamos em tempo de crises, não só na Igreja, mas em toda a sociedade. Seria isto provocado pelo Concílio Vaticano II, que trouxe novos ventos para o mundo, ou também pela mudança da sociedade no seu todo, mudança de paradigmas e do jeito de ser pessoa hoje? É o chamado secularismo, com consequências negativas e positivas para construir o novo mundo.

Comemorando os 50 anos do Vaticano II (1962 a 1965) dizemos que o sopro do Espírito Santo continua ressoando e provocando mudanças. As riquezas provindas daí têm nas redes sociais um aliado forte, não tanto na forma tradicional de comunicar, mas agora à distância, pelo caminho virtual. Se bem usadas, poderão alavancar o que vem sendo adormecido na prática moderna.

A Igreja existe para fazer o bem, levando a Palavra do Senhor para o mundo, para que seu trabalho seja fonte de vida. Portanto, seu futuro depende da força da Palavra e da ação do Espírito Santo, como sopro novo, fazendo surgir realidades novas.

 
 
xm732