Colunas
 
Domingo de Páscoa
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
BISPO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 

A palavra “alegria” é o que mais marca o sentido real do dia da Páscoa. A partir deste dia tudo deve ter sentido novo, nova esperança, novo dinamismo e revigoramento na história de vida fundamentada na morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Celebrar a Páscoa é deixar-se invadir pelo amor misericordioso e libertador de Cristo, despertando nosso entusiasmo e confiança na vida. Tudo passa, o mundo ainda continua, as riquezas materiais não nos acompanham, mas a vida ganha plenitude e dimensão de eternidade.
A Páscoa indica um novo tempo, a passagem das trevas para a luz, para uma nova aurora. No seu verdadeiro sentido, ela nos tira do comodismo e nos leva a avançar nos compromissos de fé. É prejuízo continuar permanecendo nas “trevas”, no túmulo da morte.

Mesmo com toda a riqueza que a Páscoa proporciona, muitos ainda se sentem desamparados, desorientados e mergulhados em dúvidas. Não podemos encher esses vazios com vícios, bebidas, drogas, ameaças à vida etc. Páscoa é vida e ação concreta.

Como aconteceu com os apóstolos, hoje muitos têm dificuldade de entender a morte de Cristo, têm resistência em aderir a Ele, morto e ressuscitado, com convicção de fé. Realmente não é fácil, porque a fé supõe autenticidade e testemunho.

A identidade pascal é confirmada nas atitudes de partilha, na experiência de fé e no crescimento do amor fraterno. É questão de alteridade e superação das barreiras que separam as pessoas, fragilizando o empenho missionário na prática de comunidade.

A dimensão da Páscoa é ilimitada. A salvação é para todos os povos, mesmo que isto não seja reconhecido universalmente. Deus não faz distinção ou acepção de pessoas. Todos aqueles que O temem e praticam a justiça lhe são agradáveis e acolhidos.

Dizemos que a Páscoa não combina com atitudes desumanas, impurezas descabidas, desejos maus e cobiça de possuir de forma desequilibrada. A vida ressuscitada deve ser coerente com a fé e o cumprimento dos preceitos de Jesus Cristo. É a morte dos maus comportamentos e das práticas religiosas que contradizem a fé cristã.



 
 
xm732