Colunas
 
Certeza cristã
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
BISPO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 

O mundo é das incertezas. Não podemos ter plena segurança na fidelidade das pessoas. O que conta e nos dá a plena firmeza é a fé. É o caminho da certeza da justiça divina. Só quem acredita em Deus consegue viver de mãos erguidas e de confiança num mundo melhor.

Moisés teve uma atitude bonita. Colocou-se na posição de súplica a Deus pedindo para que seu povo vencesse na guerra. Mesmo na condição de chefe, sentiu seus limites e passou a confiar na força de Javé. Enquanto permanecia de mãos erguidas para o alto, seu povo vencia na luta.

No mundo dos mortais, não basta às pessoas terem conhecimento teórico e técnico. Nem sempre a ciência e a prática conseguem emitir uma certeza total. Estamos na condição temporal, no mundo que deve ser sempre construído e caminhar na busca da perfeição da obra da criação.

Corremos o risco do endeusamento de nós mesmos. Só Deus é perfeito e capaz de nos dar plena segurança e certeza. Aqui está o sentido da oração, da dependência que temos de algo perfeito, que só é encontrado em Deus. Ele é o juiz da perfeição e da total segurança.

A oração é um ato de insistência, de quem pede para quem é capaz de responder com segurança. Deus é como juiz, que toma partido do lado de quem precisa e de quem está vivendo nos limites de suas necessidades e de sua dignidade.

O juízo de Deus não tem parcialidade. Ele atende a quem tem interesse pelos valores do Reino. Olha para aqueles que sofrem as injustiças causadas pelas maldades do mundo. Leva em conta as atitudes de insistência na vivência da fé.

Nem sempre temos as forças necessárias para cumprir as tarefas que o mundo exige. Não é fácil sentir a mão protetora de Deus na vida cotidiana. Por isto o nosso coração deve ser sempre confiante na ação divina. Mãos ao alto em atitude de indefesa, desarmada, frágil e vulnerável. A fé é a fonte da oração.



 
 
xm732