Colunas
 
Eu hoje te gerei
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
BISPO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 

A expressão acima mostra o verdadeiro sentido do batismo como fonte de vida e de compromisso com as exigências atuais da vida. É a presença viva de Deus no seio da humanidade, fazendo com que estejam próximos o divino e o humano, o Criador e a criatura.

A geração da vida não acontece com violência e com armas destruidoras, mas com firmeza no cumprimento da missão. Ela faz acontecer as condições de liberdade e de defesa da natureza, conforme as palavras ditas pelo papa Bento XVI no dia da paz, primeiro deste ano: "Se queres a paz, defenda a criação".

A geração da vida faz com que Deus se torne próximo e aliado do povo, abençoando-o para que tenha a paz. Em sua ação, não há acepção de pessoas. Todos são destinatários de sua paz, sem privilégio de raça ou povo. Ele aceita a todos que praticam a justiça e O reconhecem como Senhor.

Somos gerados todo dia pela misericórdia e pela bondade de Deus. Isto acontece como um mergulho no seio do Pai provocando dinamismo nas realidades concretas. É fato que faz superar o poder do mal e abraçar o que é bom. Assim tornamo-nos novas criaturas.

A partir daí podemos construir uma sociedade justa e fundada na verdade. Muito mais sabendo que Deus olha para as nossas práticas de caridade e de justiça como ações fundamentais para as pessoas. Isto nos faz superar o reinado do dinheiro e da competição, que faz com que a natureza seja arrasada pela cobiça.

Proclamamos o reinado do bem, da alegria de servir e de dar a vida em favor de todos. É o reinado da mesa universal das pessoas, celebrada na partilha fiel e fraterna, trazendo entusiasmo, coragem e esperança para o mundo.

"Eu hoje te gerei". Não é passado nem futuro. É situação concreta com os desafios que nos rodeiam. Só damos passos relevantes tendo envolvimento com as exigências e desafios do momento, no "hic et nunc", no aqui e agora da vida.



 
 
xm732