Colunas
 
Ser sóbrio
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
BISPO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 

A sobriedade é uma palavra muito abrangente, que está ligada profundamente com a questão do equilíbrio central da pessoa. Além disto, tem uma conotação social e de dignidade do ser humano. Ser sóbrio é até condição básica para a pessoa ser feliz ou não na vida. Ela afeta o nosso livre arbítrio e dá qualidade ao nosso ser imagem e semelhança de Deus.

Convivemos com uma cultura dos vícios, um deus que acaba matando muita gente. É o homem sacrificando a si mesmo ou perdendo a sua dignidade de vida sadia. É realmente fruto de uma pressão cultural, de desestabilidade emocional e estrutural da pessoa. Isto vem trazendo consequências drásticas para a família e para a sociedade e para a cultura.

Muita coisa tem sido feita no âmbito da sobriedade, principalmente recuperando as pessoas de vícios fatais e caminho para a morte. São pastorais, são grupos organizados de pessoas preocupadas com a qualidade de vida de indivíduos mergulhados nos vícios, tanto da droga, como da bebida, do consumismo etc. Isto atinge uma porcentagem bastante alta no meio do povo brasileiro.

A Pastoral da Sobriedade é uma das forças sociais da Igreja, mas tem sido muito acanhada tendo em vista o pequeno número de pessoas motivadas para esse trabalho tão importante. Mas não podemos desconhecer também o bem que tem sido feito, tirando pessoas desse submundo humano para uma vida mais sadia e mais digna.

O vício tem sido um desarticulador do valor e da qualidade de vida das pessoas. Não só isto, mas tem causado também a morte de grande parte de nossa população. Ele tira a possibilidade de defesa do viciado, criando um sintoma de impotência e de desequilíbrio nas condições de autodomínio.

É importante levar em conta as consequências do vício. Ele afeta profundamente a harmonia familiar, prejudica a saúde eliminando a autodefesa e provoca a morte. Isto tem sido mais que evidente na violência do trânsito, além de atingir a terceiros que não têm nada a ver com o caso.



 
 
xm732