Colunas
 
Francisco
Por: DOM ORANI JOÃO TEMPESTA, O. Cist.
ARCEBISPO METROPOLITANO DE SÃO SEBASTIÃO DO RIO DE JANEIRO, RJ
 
Leia os outros artigos
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
 
 

Em 24 horas a Igreja Católica, através do voto dos Cardeais reunidos em Conclave, sob a inspiração do Espírito Santo, anunciou ao mundo o seu 265º sucessor de Pedro. O Cardeal argentino Jorge Mário Bergoglio tornou-se o Papa Francisco.

A alegria do povo católico, o interesse da mídia mundial e a repercussão entre todos os líderes do mundo perpassaram o planeta no dia 13 de março de 2013 – todos os olhos estavam voltados para o início da noite na cidade do Vaticano junto com os milhares de peregrinos que se aglomeraram na Praça de São Pedro e arredores.

Anuncio-lhes uma grande alegria: temos Papa! Foi a notícia esperada desde que o Papa emérito Bento XVI renunciou à cátedra de Pedro. E agora o anúncio feito fala da escolha de um cardeal do Hemisfério Sul e do Continente Americano. O primeiro da história dessa parte do mundo!

A Igreja Católica Apostólica Romana continua surpreendendo positivamente o mundo com suas respostas inovadoras diante de tantas situações históricas em que é envolvida a cada momento e das respostas ao universo mundial que é chamada a dar cada momento. É a certeza de que o Espírito Santo dirige a Igreja que sempre renasce e anuncia Aquele que é Redentor de todos: Jesus Cristo, nosso Senhor!

Ao ser divulgado o trabalho, a vida e a missão do até então Cardeal Bergoglio, que uniu a profunda cultura jesuítica a uma simplicidade franciscana como pastor de um povo de uma das regiões mais desiguais do mundo e que ele serviu com carinho, até hoje caminhando com seu povo pelas ruas de sua Arquidiocese. A sua vida simples se projetou com clareza em sua apresentação no balcão central da Basílica de São Pedro. “Venho de longe, rezemos pelo Papa emérito, rezem por mim, vosso bispo; aqui estou para servir e começar esse caminho com todos vocês”, falou ele antes de dar a clássica primeira bênção apostólica para desejar a todos uma boa noite, finalizando esse primeiro momento.

Agora, as celebrações e encontros se multiplicarão. Iniciaram-se com uma celebração particular em uma Igreja dedicada a Maria, depois com celebração e reunião com os Cardeais e demais momentos para aparecer neste domingo na janela mais famosa do mundo e rezar o seu primeiro “ângelus” aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro. No dia 19 de março, dia de São José, a grande missa solene na Praça de São Pedro, oficial para todo o povo e todas as autoridades. Inicia assim a missão do Papa Francisco.

O nome que um Papa escolhe é também determinante para qualificar sua missão e sua espiritualidade. O jesuíta culto soube, como ninguém, estar perto do seu povo a quem tanto ama como um simples e pobre pastor até hoje. Agora ele diz ao mundo que deseja, como São Francisco de Assis, viver na simplicidade e na pobreza, sendo um sinal dos novos tempos na caminhada da Igreja. Mas ele também deve trazer em seu coração a inspiração de outro Francisco, o Xavier, jesuíta, que levou o Evangelho até os confins da China em suas viagens missionárias, o grande patrono das missões. Lemos aí a direção missionária vivida na simplicidade que o nosso novo Papa deseja empreender em sua missão.

Eu o conheci durante a V Conferência Geral do Episcopado Latino Americano e Caribenho realizada em maio de 2007, em Aparecida. À época, ele foi o coordenador da equipe de redação do documento final. Todos sabemos da novidade, beleza e importância desse “Documento de Aparecida” que não só inspirou a América Latina, mas todos os que se interessam pela evangelização do mundo contemporâneo. Sem dúvida que muito daquilo que está nesse documento deve-se ao trabalho de coordenação do então Cardeal Bergoglio, hoje Papa Francisco.

É claro que a partir de hoje sua vida, suas palavras, seus pronunciamentos, suas atitudes serão comentadas sob os diversos interesses e pontos de vista. Se não houve nada em sua biografia, tentarão encontrar algo em seus antepassados e amigos. Faz parte do momento midiático atual. Mas tudo isso nos demonstra que o Papa é alguém que vive num tempo histórico de tantas contradições e oposições, mas que sempre teve seus posicionamentos de acordo com a fé da Igreja recebida dos apóstolos. Ele terá a grande missão de traduzir essas convicções que levam à verdadeira vida para que o mundo compreenda hoje a mensagem de Jesus de Nazaré, o Messias e Salvador.

Mas, sem dúvida, a grande notícia para nós é que ele será quem presidirá a Jornada Mundial da Juventude em julho deste ano, aqui no Rio de Janeiro. O primeiro Papa latino americano, vindo do país que há 26 anos acolheu a primeira jornada na América Latina, estará na segunda jornada mundial da juventude na América Latina, num dos seus primeiros momentos como sucessor de Pedro. O Brasil será o lugar de onde fará seus grandes pronunciamentos ao mundo através da mídia, no bonito cenário da cidade maravilhosa e falará aos que podem mudar o mundo de hoje e de amanhã diante dos milhões de jovens de todo os cantos do universo que aqui estarão. É com alegria que desde já dizemos: seja bem- vindo, Papa Francisco, à região do mundo que faz parte de sua vida e de sua história, esse grande continente, e em especial à América Latina com suas belezas e suas contradições, mas sempre com a esperança de tempos melhores.

Eis que se abre um novo amanhecer cheio de esperança! E daqui do Rio de Janeiro, com todos os que já se encaminham para viver conosco o encontro com Cristo, junto com o Santo Padre Francisco, dizemos: venham, meus amigos, e sejam missionários!

 
 
xm732