Colunas
 
Deus é comunhão
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Ainda gostaria de falara do mistério que celebramos na comunhão de amor. O texto 2Cor 13, 11-13 contém duas referências litúrgicas: a do beijo fraterno e a saudação trinitária.

A referência ao beijo fraterno faz parte das recomendações ao passo que a saudação trinitária é o augúrio final do apóstolo.

As recomendações revelam o rosto da comunidade cristã e suas características: alegria, busca da perfeição, encorajamento mútuo, união, paz, beijo fraterno. Todas essas características são como ferramentas para que a comunidade possa ser o lugar da presença e manifestação de Deus. A alegria é fruto dos tempos messiânicos. Provém da convicção de ser comunidade do Senhor, amada por Deus. Esse clima de alegria é capaz de contagiar e transformar. A busca da perfeição denota que ser comunidade é constante caminhar.

A paz não depende da eliminação dos conflitos ou da sua ausência, mas em sua superação mediante a solidariedade. Esta solidariedade leva a plena comunhão com Cristo na Eucaristia, onde os cristãos se saúdam com o beijo fraterno.

Esse beijo fraterno é chamado por São Paulo de “beijo santo”, isto é, manifesta a solidariedade de todos no objetivo comum: a santidade. Os cristãos são santos porque a eles foi confiado o projeto de Deus. E esse projeto é comum a todas as comunidades.

Ao encerrar, São Paulo exprime o desejo de que a Trindade seja a inspiração da comunidade cristã na busca da comunhão entre os membros. Ele diz, no início: “a graça de nosso Senhor Jesus Cristo”. É o dom da vida que Jesus trouxe à comunidade. Esta existe por obra de Jesus, que morreu e ressuscitou, e que agora se manifesta nos cristãos.

Esse amor tem origem no “amor de Deus”, que tomou a iniciativa, enviando Jesus ao mundo. E continua na comunidade cristã mediante a “comunhão do Espírito Santo”, que cimenta, organiza e dá força aos cristãos para agirem solidariamente entre si, em perfeita harmonia que seja o reflexo da harmonia da Trindade.

 
 
xm732