Colunas
 
Busquemos a graça da paz!
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Iniciamos mais um ano civil, o de 2014, sob a proteção materna de Nossa Senhora, Mãe de Deus, a Teotokos.

É significativo, dentro do tempo do Natal, em que a terra acolhe o céu e o céu acolhe a terra, com a encarnação do Verbo Divino, que se fez homem para que os homens se divinizassem, apesar de não experimentar o Menino Deus nem o pecado original e nem a maldade humana, celebrarmos aquela que foi o canal para a redenção do gênero humano. Maria é a Mãe de Deus e, também, é a mãe de todos os seres viventes. Nunca se ouviu dizer que alguém que a Ela tivesse recorrido não tivesse por ela sido atendido.

Realmente é nas mãos de Maria que queremos viver todos os dias do ano que se inicia. Ela nos conduzirá até Nosso Senhor Jesus Cristo, que é o salvador do gênero humano.

Observemos bem as palavras que foram proclamadas no Evangelho desta Solenidade: "Quanto a Maria, guardava todos estes fatos e meditava sobre eles em seu coração"(Lc 2,19).

Nossa Senhora nos ensina a guardar em nossos corações no ano de 2014 o rosto sereno e radioso de seu filho Jesus Cristo, o príncipe da paz. Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção, como cantamos no Salmo Responsorial, e resplandeça sob todos e cada um de nós a luz divina, que é o Cristo Senhor.

Hoje sobre nós resplandece uma luz: nasceu o Senhor. O seu nome será admirável, Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da paz. E o seu reino não terá fim.

O Papa Francisco nos convoca, com esta solenidade,a rezar pela paz, na busca da Fraternidade. Como podemos proclamar e pregar a paz se não há fraternidade nas nossas Igrejas, em nossas casas e em nossos ambientes de trabalho? O que muitas vezes reina é a vaidade, o orgulho, a avareza, a vontade de ser maior do que os outros ou pisar ou mesmo destruir os que são mais competentes do que aqueles que dirigem ou se acham príncipes ou donos da verdade.

Na pedra fria da manjedoura Cristo nos ensina que só os humildes e os verdadeiramente obedientes na caridade, no perdão e na acolhida podem ser chamados de filhos da paz. Obediência não é ser vaquinha de presépio. Obediência não é renunciar a pensar. Obediência é amar e saber dar amor. Mais do que viver, meditemos nossas atitudes, muitas vezes de guerra e de destruição de reputações, para podermos viver realmente o Natal e o Ano que se inicia, na paz que aceita o diferente, que aceita o que questiona, mais que acolhe a todos como filhos, na diversidade e não na uniformidade que seca o espírito que sopra sobre a Igreja.

 
 
xm732