Colunas
 
Missão dos seguidores de Jesus
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Às vezes nosso mundo está tingido de certa melancolia. Hoje, mais do que nunca, é verdade quando se diz que “o tempo passado foi melhor”. Aguarda-nos um futuro com mais contaminações, mais problemático e conflituoso. A mudança climática, o esgotamento dos recursos naturais, a super população, as guerras e os choques entre as diferentes culturas são problemas que prendem a nossa atenção e nos obrigam, de alguma forma, a sermos pessimistas. Como é possível alegrar-se num mundo como este? E, já não bastasse tudo isso, há, ainda, os problemas pessoais.

Quem está livre de algum tipo de conflito em sua família? Quem não sente o perigo da enfermidade e da morte como uma espada oscilando de maneira ameaçadora sobre a sua cabeça?

Contrastando com a realidade, que muitas vezes pode ser asfixiante, as leituras do décimo quarto domingo do Tempo Comum nos falam da alegria de sermos portadores e receptores da Boa-Nova da salvação. Não podemos pensar que o mundo se encontrava muito melhor nos tempos de Jesus. Talvez a contaminação fosse menor, mas havia outros problemas que, hoje, encontram-se relativamente resolvidos e que, naqueles dias, eram muito mais graves e urgentes. A miséria, por exemplo, era crescente entre a maior parte da população. Naquela circunstância, Jesus enviou os setenta e dois discípulos, dois a dois, para que pregassem a Boa-Nova, desejassem a todos a paz, ficassem próximos aos doentes e necessitados e anunciassem que o Reino de Deus estava próximo.

Era uma mensagem simples para os simples. Uma mensagem que era motivo de alegria para aqueles que a transmitiam e para os que a recebiam.

Como vemos na primeira leitura, quando o profeta Isaías exorta aos que o escutam a ficarem alegres porque o consolo, a paz e a vida de Deus estão com eles.

Hoje somos nós, em primeiro lugar, os receptores dessa mensagem. Para além dos desastres que tenhamos podido causar neste mundo, Deus continua nos oferecendo a vida e a paz. “O Reino de Deus está próximo” e a sua palavra continua nos desejando a paz.

Tal como lemos no Evangelho, nós temos a opção de acolher essa paz, que nos vem de Deus, ou de rejeitá-la. Mas, até mesmo no caso de a rechaçarmos, precisamos saber que, de qualquer modo, o Reino de Deus está chegando.

Somos também os transmissores da mensagem. É o tesouro que Deus colocou em nossas mãos. Por isso, nos gloriamos em Jesus e fazemos dele o centro de nossa vida. E, com a nossa própria vida, anunciamos a paz e a confiança, na qual Deus é capaz de recriar a vida lá onde nós criamos a morte

 
 
xm732