Colunas
 
Viver na presença de Cristo e de Deus
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

A Igreja é a comunidade daqueles que creem em Jesus. Por isso, por acreditarmos em Jesus, estamos convencidos de que, no final dos tempos, a humanidade se converterá na nova Jerusalém. É uma bela visão: a humanidade morando numa cidade cheia de luz, cercada por uma muralha que está aberta a todos os caminhos, a todos os povos. Na cidade, não há templo, simplesmente porque não é necessário. Seu templo é o próprio Deus que vive no meio dela. Também não é necessária iluminação alguma, nem sol e nem lua, porque a glória do Senhor é a luz que ilumina todos os que moram na cidade. É um sonho maravilhoso.

No entanto, esse sonho não é ainda realidade. A realidade da nossa comunidade cristã é outra. Não temos toda essa luz. Andamos às tontas. Às vezes há conflitos. Não sabemos exatamente como nem para onde nos dirigimos. Não temos idéias claras. Surgem discussões, nascem às divisões. Fazemos mal uns aos outros. Precisamos nos reconciliar. Até necessitamos de templos para sentirmos mais viva a presença de Deus.

Assim sempre foi a história da Igreja. É que estamos a caminho. Poderíamos dizer que estamos no processo de construção daquela cidade belíssima da qual nos fala o Apocalipse. Ainda estamos lançando os fundamentos. Desta forma podemos descrever a história da Igreja. Desde o princípio, os fiéis se esforçaram para construir, aqui e agora, uma cidade formosíssima, a que seremos todos, chamados a viver algum dia. Essa construção não é realizada sem conflitos. É normal. O que devemos saber como cristãos é que os conflitos apenas podem ser resolvidos por meio do diálogo, da compreensão, do amor e da reconciliação. A leitura dos Atos dos Apóstolos nos fala de um dos primeiros conflitos que surgiram na Igreja. Já em tempos de Pedro e Paulo, mas essa situação nos mostra como, desde o início, a Igreja resolveu esses problemas graças ao diálogo.

No entanto, para dialogar, é necessário aprofundar, cada vez mais, nossa fé e nosso amor por Jesus. Mantendo uma relação profunda com Jesus, teremos, em nosso coração, a sua paz. Essa paz nos permitirá passar por todos os conflitos, buscando sempre, não o nosso interesse egoísta, mas o bem da comunidade, de nossa família ou de nossa sociedade. Essa paz, a paz de Jesus nos permitirá dialogar com os irmãos e irmãs, buscando a verdade. Com fé no amor de Jesus, com sua paz dentro do coração, construiremos juntos a cidade de Deus, onde todos nós nos sentiremos em casa, junto ao nosso Pai.


 
 
xm732