Colunas
 
A nova Jerusalém
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Estamos no Tempo da Páscoa, da Ressurreição. Celebramos, nestes dias, o poder sem limites de Deus. Tudo é possível para Ele. No Espírito, Deus Pai tem a energia capaz de transformar tudo. Jesus ressuscitou como primícias, mas, depois dele, ressuscitará também seu corpo, a Igreja. A Igreja poderá ser aquela nova Jerusalém, casa do Amor e da Missão com que Jesus sonhou quando estava fisicamente entre nós.

A comunidade cristã é missionária porque Deus continua fazendo sua obra. Ele, por intermédio do Espírito, continua a missão de Jesus. A Igreja missionária não é dona de sua missão; procura ser transparência, expressão, colaboradora da missão de Jesus.

A velha Jerusalém nós já conhecemos. Está amarrada a um passado violento, a seus ritos e sistema religioso caducos, a suas autoridades malévolas. Não conhecemos a nova Jerusalém. Não está aqui. Vem do céu como uma noiva adornada para seu esposo. É cidade de sonho, fundada pelo Deus que quer nos surpreender com a novidade: “Eis que eu faço novas todas às coisas!” A experiência nos ensina, porém, que a Igreja é santa e pecadora, é uma e dividida. Onde está a nova Jerusalém? Poderíamos nos contentar em dizer que a vinda da nova Jerusalém será “no final dos tempos”. Já estamos no final dos tempos, desde que Jesus ressuscitou! A nova Jerusalém desce todos os dias a nossa terra. É um dom que diariamente nos é oferecido. Isso acontece, entretanto, de forma misteriosa, sacramental. A nova Jerusalém se oferece e se manifesta às “testemunhas escolhidas por Deus”. É o corpo ressuscitado e novo de Cristo.

Os que são agraciados com a contemplação da descida da nova Jerusalém, com o aparecimento do corpo eclesial de Jesus ressuscitado têm outra consciência, vivem as realidades eclesiais “de outra maneira”. Não ajustam sua vida ao estilo da velha Jerusalém. Deixam com facilidade que o velho passe, para que se instaure a novidade que vem de Deus. Não se agarram a velhos estilos de poder, a contradições mortas. Não querem ressuscitar o velho culto, não adoram o dinheiro, não procuram esplendores caducos.

Jesus nos diz, de maneira muito forte, que o sinal característico de seus discípulos é o amor fraterno. A condição essencial é que “nos amemos uns aos outros” É a marca da autenticidade. Sem essa marca, somos produto adulterado. Empenhar-nos em que reine entre nós o amor fraterno não é tarefa fácil.

Existe Páscoa e existe Ressurreição. Existem possibilidades para que se torne realidade o sonho de Jesus, o sonho de Igreja. Preparando a acolhida da nova Jerusalém, podemos já viver antecipadamente sua presença. Abertos às pequenas tarefas que a mãe Igreja nos confia, podemos descobrir a maravilha do projeto misterioso. É-nos dado participar do amor do Reino que tudo une e harmoniza: o amor aos irmãos. Por isso, quem ama seus irmãos tem a Vida.

 
 
xm732