Colunas
 
O Cordeiro e o rebanho
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

A Páscoa é o grande momento do nascimento da Igreja. A partir da experiência da ressurreição de Jesus, ergue-se o edifício da Igreja. Os apóstolos e os discípulos, que, em sua maioria, haviam fugido assustados na hora da Paixão, sentem-se fortalecidos pela experiência de que Jesus, aquele que morreu na cruz, está vivo. Mas não no sentido de que tenha voltado à nossa vida. Está vivo de uma maneira nova e mais plena. A morte já não tem poder sobre Ele. Ou melhor, Ele venceu a morte. Deus o ressuscitou. E Ele aparece aos seus discípulos.

Estamos diante de um relato da aparição de Cristo ressuscitado. Agora, no texto de João 21,1-19, acontece às margens do mar de Tiberíades. Não entendamos de maneira errada a palavra aparição. Não é o órgão da visão que é exigido, mas a fé.  Por isso, ao ouvir ou ler “aparição”, devemos compreender que Ele se dá a conhecer. Depois da morte e ressurreição do Senhor, a vida dos discípulos continua. É na lida do dia-a-dia que o Senhor se faz sentir e oferece os sinais de sua presença.

Simão Pedro, que, ao longo de todo o quarto evangelho, não é propriamente o homem da fé, porque depende do “discípulo que Jesus amava”, será quem , em alguns versículos, dirá:”É o Senhor!”.

O diálogo de Jesus com Simão Pedro adquire, então, toda importância, pois se trata de fundar a missão de Pedro como ”primeiro entre iguais” num mandato do Senhor: “Apascenta minhas ovelhas (cordeiros)”: Segue-me. Porque essa missão lhe é confiada pelo Senhor, será necessário quer Pedro o ame mais do que tudo.

É nesse sentido que deve ser compreendida a pergunta de Jesus: “Simão, filho de João, tu me amas mais que estes?”

É preciso que percebamos que esse mesmo Jesus faz essa pergunta para cada um de nós.

 
 
xm732