Colunas
 
É fácil seguir Jesus?
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

O tema que predomina nas leituras do décimo terceiro domingo do Tempo Comum é o seguimento ou discipulado. E podemos perguntar-nos se isso é fácil ou simples de se realizar.

Na primeira leitura(1Rs 19,16b.19-21), Eliseu reage de modo espontâneo e sem reticências quando sente sobre os ombros o peso do manto de Elias, que ele deverá suceder  na missão profética. E se põe logo a serviço.

No evangelho(Lc 9,51-62), começamos com Jesus  sua subida para Jerusalém e para o Pai e, em parte, é isso que celebramos na Eucaristia. Mas não é tão fácil e simples seguir esse Jesus que pôs o pé na estrada. Dois discípulos precisam ser “exorcizados” quanto ao preconceito racial e à intolerância religiosa. Outros são provocados a abandonar segurança, a rever prioridades e a romper laços familiares para pertencer a uma família que não se constitui a partir dos laços de sangue.

Eucaristia é a celebração do serviço de Jesus pela humanidade. E São Paulo(Gl 5,1.13-18) garante que a entrega de Cristo nos proporcionou a liberdade como dom que vai sendo construído no amor e no serviço.

São Lucas gosta de mostrar Jesus a caminho e isso nos ajuda a entender o seguimento como algo que se faz e se refaz constantemente. O convite, portanto, é para estarmos abertos e prontos, como Eliseu, e não fechados, resistentes e arrogantes como Tiago e João. Nesse sentido, é oportuno refletir sobre nossa atitude diante do pluralismo e do trânsito religioso em nosso país. Ser cristão é ser como Jesus, enfrentando riscos, colocando o Reino como prioridade maior, olhando para frente, para o que está por ser feito. Não pode se dizer cristão quem se fecha em sua casa, busca dos seus interesses e vive de saudades. A ação de Cristo em nosso favor se chama liberdade. Paradoxalmente, “o maior PIS católico do mundo” é campeão de servidões que sustentam os caprichos de uma elite. A liberdade, dom maior de Cristo, é relacional. O cristão não pode se sentir plenamente livre enquanto os outros não o forem igualmente.

Nesta semana observamos algumas situações que nos causam grande preocupação: mais de 60 milhões de pessoas estão desenraizadas em todo o mundo. Cada dia uma nova tragédia de refugiados é noticiada nos meios de comunicação, com crianças, mães e pais perdendo suas vidas em uma tentativa desesperada de escapar da violência migrando de sua terra em busca de uma vida com paz e com dignidade.

O Papa Francisco viaja, no dia 24, como peregrino a Armênia, a primeira entre as nações a receber o Evangelho de Jesus, na visita ao primeiro país cristão. João Paulo II já dizia que Santa Maria Mãe de Deus dirija teu olhar para a amada Armênia. Por isso o Papa Francisco irá lá ser solidário com nossos irmãos que sofrem e são perseguidas. Rezemos por todos os que passam privações para realmente seguirmos Jesus!

 
 
xm732