Colunas
 
Sagrado Coração de Jesus
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

A festa do Sagrado Coração de Jesus é a festa do grande amor de Deus por nós. Ele estabeleceu um diálogo de amor com toda a humanidade por meio de seu Filho Jesus.

É preciso ler, com atenção, o trecho da carta de São Paulo aos Romanos (Rm 5,5b-11) para percebermos que nesta festa, uma vez mais, celebramos o amor de Deus por cada uma das criaturas humanas. O mais importante é que esse amor é anterior ao nosso. Não estamos falando de uma relação mútua entre Deus e cada pessoa, situada em um mesmo nível. Deus nos ama desde sempre, antes até de O conhecermos e talvez O repudiarmos. Deus, quando éramos pecadores já nos amava e planejava fazer todo possível para tirar-nos desse labirinto sem saída em que nos metemos costumeiramente, o labirinto do pecado e da morte, do egoísmo e da avareza, da violência e do desamor.

A prova de que Deus nos ama verdadeiramente, para além das palavras bonitas e dos gestos fáceis do romantismo vazio – é que “Cristo morreu por nós quando ainda éramos pecadores.” O amor de Deus está comprometido com o nosso bem, até dar a vida por nós, com tudo o que suporta da dor, do sofrimento e de dar a vida. Seu amor não é aquele que se retira diante da primeira dificuldade, mas o que permanece constante até o final, se é que há final onde há amor.

O amor de Deus para conosco é um amor que constrói a vida, um amor que nos reconcilia, que nos cura e que nos salva. Basta de pensarmos que Deus está ofendido pelos nossos pecados. Melhor dizer que Deus chora por nossos pecados, porque, com eles, prejudicamos a nós mesmos. A reconciliação desejada por Deus não é entre Ele e nós, mas dentro de nós mesmos. Deus, por intermédio de seu amor, é capaz de nos reconstruir por dentro, de nos refazer, de nos recriar e, assim, de nos recuperar a capacidade de recomeçar. Esse é o fruto do amor de Deus.

E tudo isso gratuitamente, sem pedir nada em troca, com a alegria daquele que ama sem medida e sente que o seu bem não é outro senão o bem da pessoa amada. Essa é a alegria que há no céu quando se encontra a ovelha perdida e esta retorna para junto do rebanho no redil. É dessa forma que Deus nos ama. E, de passagem, nos diz que no amor nós encontraremos a vida, a alegria e a esperança.

 
 
xm732