Colunas
 
É preciso revitalizar a nossa fé
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

As leituras do segundo domingo da Quaresma nos convidam a tomar consciência de que não possuímos, ainda, a identidade cristã. Embora a tenhamos recebido como herança, precisamos torná-la nossa. A fé nos foi dada por termos nascido em uma família cristã; a fé pertence a nossa herança cultural, mas é nossa obrigação transformar essa herança em uma realidade viva. Da mesma forma que nossos antepassados a viveram e por meio deles, de seu testemunho vital, a recebemos, igualmente, apenas seremos capazes de entregá-la à próxima geração na medida em que a fé faça parte de nossa vida cotidiana.

O Evangelho nos conta a história da transfiguração. O fato de que Jesus tenha se transfigurado diante dos apóstolos deixa claro que eles não possuíam ainda a fé plena. Não eram capazes de vê-lo ainda com os olhos da fé. Eles o viam apenas como um homem. Um grande homem, com certeza, mas apenas um homem. Jesus transfigurou-se diante deles para que percebam quem Ele é. Resta ainda aos apóstolos um longo caminho de amadurecimento na fé, de crescimento ao lado de Jesus e de aprendizado de vida de acordo com o Evangelho. O melhor disso tudo é que Jesus não os deixa sozinhos nesse processo. Está ao lado dos apóstolos, acompanha-os, ajuda-os e os orienta. É paciente com os seus erros. Quando caem, levanta-os e os anima para que continuem caminhando com Ele. A transfiguração não é mais que uma etapa no seguimento de Jesus. Sobem no monte e logo descem. Continuam o caminho às vezes difícil, mas os apóstolos sabem agora que têm Jesus com eles, que não os abandonará.

Estamos em uma situação parecida. Recebemos de nossos pais e nossos antepassados uma herança cristã, uma herança de fé. Foi o melhor tesouro que nos puderam dar. Transmitiram-no com amor. É nossa responsabilidade agora que essa fé permaneça viva e que ser cristão seja algo mais do que um simples nome. Não é sempre fácil viver como cristão no trabalho, em casa, com os amigos, com os filhos. Às vezes surgem problemas. Há momentos difíceis. Mas sabemos que Jesus sempre está conosco. Podemos confiar nele porque jamais nos abandona. Neste tempo de Quaresma, a Igreja nos pede que revitalizemos nossa fé para que nossa herança não seja como esse tesouro que é enterrado e de nada serve, para que seja como o campo que, uma vez trabalhado. Adubado e regado dá muitos frutos de vida para nós e para nossas famílias.

 
 
xm732