Colunas
 
A vida acima de tudo
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

O decálogo privilegia a vida, propondo-a como valor ímpar. A vida é o núcleo da constituição do povo de Deus. Ao preservar ou promover a vida, Israel está sendo fiel ao Deus da Aliança que o libertou da escravidão do Egito.

O versículo 2 de Ex 20, 1-17 funciona como introdução. Ele recorda quem é Deus. É aquele que ouve os clamores do povo e o liberta. É o Deus do povo que clama. O Egito é símbolo de todas as opressões dirigidas às pessoas. Sendo aquele que preserva e promove a vida, Javé se alia aos que sofrem, libertando-os de todos os tipos de escravidão.

O primeiro mandamento proíbe a idolatria. O verdadeiro culto que se presta ao Deus vivo e verdadeiro é a defesa e promoção da vida.

O segundo mandamento proíbe pronunciar o nome de Deus em vão. O Deus da vida e da liberdade não pode ser usado para acobertar a morte e a escravidão. O terceiro mandamento diz respeito ao sábado. O descanso no sábado permite que a pessoa se sinta viva e livre e tome consciência de todos os aspectos que envolvem sua vida.

O quarto mandamento manda honrar pai e mãe, a fonte da vida. O Deus que preserva e promove a vida manda honrar os pais, pois foi a partir deles que a vida de cada pessoa começou a existir.

O quinto mandamento é o eixo do Decálogo. Ele se opõe ao sistema social que vigorava no Egito, o lugar da escravidão. Aí fora decretada a extinção de Deus. Israel, para ser fiel ao Deus que preserva e promove a vida, deverá por a vida como valor absoluto.

O sexto mandamento focaliza a preservação e promoção da vida na família. O adultério destrói a relação familiar.

O sétimo mandamento ordena: "Não roubarás". Estudiosos afirmam que o verbo "roubar", neste caso, está relacionado com escravização e privação da liberdade de alguém. Assim, não se trata simplesmente de tirar um objeto que pertence a outra pessoa. A questão é mais profunda. Trata-se de não escravizar as pessoas.

O oitavo mandamento diz respeito à vida a ser preservada e promovida através de julgamento e sentenças justas. Se os pobres e os fracos não encontram quem lhes faça justiça, a sociedade se torna um novo Egito, cheio de clamores e opressões.

Os dois últimos mandamentos proíbem a cobiça, fonte e origem de toda injustiça social, pois o desejo do acúmulo é o pai de todos os males. Para construir uma sociedade alternativa, Israel precisa aprender a justiça e a partilha.

Quantas pessoas, infelizmente, não sabem recitar de cor os dez mandamentos. Pior do que desconhecimento é não vivenciar o que pede o Decálogo para irmos para o céu e viver uma via virtuosa neste vale de lágrimas. Busquemos, como leitura espiritual para esta quaresma, ler os capítulos do Catecismo da Igreja Católica sobre o decálogo.

 
 
xm732