Colunas
 
Os pobres e o Natal: todo dia é dia de estar com os pobres!
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

O Natal, sem sombra de dúvida, é a grande festa da Encarnação. Jesus se digna descer do céu e fazer-se homem, igual aos homens e mulheres em tudo, exceto no pecado. Jesus se faz homem para nos salvar.

O cenário do nascimento de Jesus é muito significativo: uma pobre e despojada manjedoura. Jesus não nasceu nem no hospital, nem na maternidade, nem repleto de todo o aparato que vemos nos dias de hoje. Jesus, sob o olhar materno de Nossa Senhora de Nazaré e sob a proteção de seu pai adotivo, São José, veio ao mundo para mostrar que Deus destrona os poderosos e eleva os humildes, conforme nos apresenta o Magnificat: “Derrubou dos tronos os poderosos e exaltou os humildes”(Cf. Lc 1, 52).

Gostar somente de “almoçar com os pobres” não é suficiente. Porque quem vai ao encontro dos pobres, faz como Jesus mandou, sem propaganda. Estar com os pobres é a essência desta noite em que contemplamos Jesus nascer na dureza e na frieza de uma manjedoura. Estar com os pobres, comemorar com os pobres não é publicidade, é obrigação silente de cada um de nós, fiel ao que diz a Escritura Sagrada: “Encheu de bens os famintos e despediu os ricos sem nada”(Cf. Lc 1, 53).

O espírito do Natal nos pede despojamento, nos pede humildade, nos pede viver como Jesus viveu, sem holofotes, sem querer parecer o que na realidade não é. "Feliz aquela que acreditou, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor vai acontecer". É o recado de Lucas às comunidades: crer na Palavra de Deus, pois ela tem força para realizar aquilo que nos diz. É Palavra criadora. Gera vida nova no seio de uma virgem, o seio do povo pobre e abandonado que a acolhe com fé.

Como Maria Santíssima, neste Natal vamos proclamar a mudança que aconteceu na sua própria vida sob o olhar amoroso de Deus, cheio de misericórdia. Por isso, a Virgem Santa canta feliz: "Exulto de alegria em Deus, meu Salvador".

E ao Dono da Festa de Natal: Jesus, o Deus Menino, que devemos “exultar de alegria em Deus, meu Salvador”, porque ele nos ensina a despojarmos de tudo: orgulho, vaidade, megalomania, espírito de grandeza, mania de perseguição e ser mais humano e confiante acima de tudo na promessa do Anjo a Maria, que nesta noite santa de Natal se materializa: “Alegra-te, cheia de graça: o Senhor está contigo!”.

Estejamos, pois, com Jesus Menino e levamos a sua mensagem de paz e de salvação a todos os homens e mulheres. Cantemos e vivemos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade”. Todos os dias são dias de estar com os pobres, de sentar com eles, de viver uma vida santa e humilde. Feliz Natal e rezem por mim, porque rezarei nesta noite de espírito pobre e familiar por todos vocês!

 
 
xm732